PUBLICIDADE
Topo

Royal Opera House de Londres defende cena de estupro vaiada pela plateia

01/07/2015 10h58

Londres, 1 Jul 2015 (AFP) - A Royal Opera House de Londres defendeu nesta quarta-feira uma cena de "Guilherme Tell" que recria o estupro coletivo de uma mulher, depois que a encenação foi recebida com grandes vaias.

A cena foi "indesculpavelmente desagradável", afirma a crítica do jornal The Times, que aprovou as vaias e deu apenas uma estrela de quatro possíveis para o espetáculo.

A irritação dos espectadores durou mais de um minuto e obrigou a orquestra a interromper a música da ópera de Gioachino Rossini.

A crítica do jornal The Guardian descreveu a cena como "lascivamente voyeurística" e "completamente desnecessária", enquanto o jornal The Telegraph destaca que "estava em flagrante contradição com o espírito da música".

O diretor da Royal Opera House, Kasper Holten, defendeu a cena forte, mas decidiu fazer um alerta aos espectadores das próximas apresentações.

"A produção inclui uma cena que coloca o foco na brutal realidade das mulheres violentadas em tempos de guerra", afirma Holten em um comunicado.

"Não há planos para mudar a encenação. De todos os modos, vamos adotar medidas para avisar a plateia sobre as cenas de violência sexual e nus", completou.

A versão de "Guilherme Tell" da Royal Opera House tem como diretor o italiano Damiano Micheletto.

ar-al/fp