PUBLICIDADE
Topo

Nova perícia encontra bactéria infecciosa em cadáver de Pablo Neruda

Morte do escritor Pablo Neruda está sob investigação - Divulgação
Morte do escritor Pablo Neruda está sob investigação Imagem: Divulgação

Em Santiago

28/05/2015 13h29

Uma nova análise dos restos mortais do Prêmio Nobel chileno Pablo Neruda encontrou uma bactéria infecciosa, que para a Justiça não conclui que ele tenha sido envenenado pela ditadura de Augusto Pinochet, mas que para sua família representa "uma dúvida razoável".

A análise foi realizada por peritos forenses da Universidade de Múrcia, na Espanha, e permitiu detectar "a presença de três tipos de proteínas nos restos do poeta", informou um documento do Poder Judiciário chileno sobre a morte de Neruda, ocorrida dias depois do golpe que derrubou o socialista Salvador Allende e instaurou a ditadura de Pinochet, em setembro de 1973.

Os dois primeiros grupos de proteínas estariam associados com o câncer de próstata avançado que o poeta sofria, sendo esta a causa oficial de sua morte, enquanto estava internado em uma clínica em Santiago, com planos de viajar para o México para comandar a partir do país vizinho a oposição a Pinochet.

Mas sobre o terceiro grupo de proteínas bacterianas "é muito difícil estabelecer ou excluir a presença de processo infeccioso agudo nas últimas horas da vida do poeta", afirma o comunicado do Judiciário chileno, sobre a perícia que tem um caráter "reservado".

A presença deste tipo de bactérias, "estafilococo dourado", segundo revelou mais tarde um representante da família do poeta, "sustenta a dúvida razoável que nós temos de que houve uma intervenção de terceiros", disse em uma coletiva de imprensa Rodolfo Reyez, sobrinho de Neruda.

Embora tenham sido encontradas bactérias associadas ao câncer que Neruda sofria, este terceiro grupo de bactérias "não tem relação com o câncer; esta é a notícia", afirmou Rodrigo Lledó, advogado do programa de Direitos Humanos do Ministério do Interior chileno.

Mas o documento do Poder Judiciário chileno adverte que a "análise de dados requer uma dose apropriada de cautela, para evitar conclusões arriscadas na ausência de informações adicionais que nos faltam no momento".

Os restos de Neruda, exumados em abril de 2013, foram submetidos a outras análises químicas que determinaram que sua morte estava ligada ao câncer de próstata.

Para conclusões finais, faltam ainda outros resultados de análise genética.

A investigação sobre a morte de Neruda começou em 2011, após seu ex-motorista assegurar que quando estava internado o poeta recebeu uma injeção no peito que causou sua morte.

As dúvidas aumentaram quando ficou comprovado que a ditadura de Pinochet desenvolveu agentes químicos para o extermínio de opositores.