PUBLICIDADE
Topo

Memphis dá o último adeus ao falecido rei do blues B.B. King

27/05/2015 17h48

Memphis, Estados Unidos, 27 Mai 2015 (AFP) - A cidade de Memphis, epicentro do rockabilly e do blues, prestou nesta quarta-feira a última homenagem ao lendário guitarrista B.B. King, falecido há duas semanas, aos 89 anos.

Centenas de pessoas enfrentaram a chuva e se reuniram no coração desta cidade do Tennessee (sudeste dos EUA), onde o jovem 'bluesman' B.B. King começou a carreira que logo o tornaria uma lenda mundial, junto com outro rei da cidade, Elvis Presley.

King "está de volta a casa, nesta cidade onde era então tão difícil abrir o caminho como músico negro", confidenciou à AFP seu amigo de longa data, Cerver Randle.

Vestida de azul - a cor do blues -, uma multidão vinda dos quatro cantos do país se reuniu para assistir a um show tributo em um dos parques da cidade, na primeira etapa das homenagens de Memphis ao "rei do blues".

"Devemos ter cuidado quando usamos a palavra 'King' aqui", disse no palco A.C. Wharton, prefeito da cidade que abrigou o "rei" Elvis Presley e viu morrer assassinado Martin Luther King, em 1968. "King" significa rei em inglês.

"Mas estamos aqui para celebrar o rei do blues", acrescentou.

"A música de B.B. King é como um remédio para o espírito. Me faz sentir que não sou o único que sofre", disse Alexander Hamilton Warner, um sexagenário afro-americano de Memphis que participou da homenagem a alguns metros da mítica rua Beale.

Esta é a via onde o jovem Riley King fez suas primeiras apresentações no final dos anos 1940 e que lhe rendeu o primeiro apelido, "Beale Street Blues Boy" (garoto do blues da rua Beale), que com o passar dos anos viraria simplesmente "B.B.".

Esta homenagem esteve prestes a não acontecer: esta semana foi preciso executar uma necropsia no corpo do músico em Nevada (oeste), depois que duas de suas filhas acusaram o empresário de envenenar seu pai.

Mas a procissão em Memphis parecia indiferente a esta polêmica. "É como com Elvis e Michael Jackson. Sempre há controvérsias quando morre uma lenda. É preciso esperar e respeitar o luto", opinou Alvin Long, nativo de Memphis.

Ao final da marcha, os restos mortais do rei do blues serão simbolicamente enviados para o vizinho estado do Mississippi, berço do blues onde King nasceu e será sepultado no sábado.