Topo

Entretenimento

Dior inaugura em Pequim sua maior loja na China

21/12/2014 20h38

Pequim, 21 dez 2015 (AFP) - A Dior abriu nesta segunda-feira, em Pequim, sua loja mais imponente na China, onde a prestigiosa casa de moda francesa faz uma forte aposta, apesar da desaceleração da economia e do setor do luxo.

O carro-chefe da Dior no país asiático foi inaugurado com pompa no fim de semana, e nesta segunda-feira recebia seus primeiros clientes, em um prédio de dois andares localizado no centro financeiro da capital.

A Dior já possui três pontos de venda em Pequim e 20 na China, sem contar os espaços de moda masculina Dior Homme.

"Mantemos uma rede constante em número de lojas (na China), mas estamos aumentando os espaços, renovando-os", explicou à AFP o presidente da marca, Sidney Toledano, que revela projetos de ampliação de lojas em Dalian e Harbin (nordeste).

Estes investimentos se justificam pela necessidade de "desenvolver gamas de produtos", sobretudo de pret-à-porter, e de instalar "provadores mais espaçosos", indica Toledano.

Com estes projetos, a Dior pretende responder às expectativas de uma clientela mais exigente e volátil, no momento em que os setores de luxo e da moda registram uma desaceleração na China.

O faturamento do segmento de luxo teve um refluxo em 2014, e em 2015 pode retroceder 2%, em um contexto de desaceleração do crescimento e fortalecimento da luta contra a corrupção, apontou a assessoria Bain & Company.

As dúvidas aumentaram em novembro, quando a Louis Vuitton anunciou o fechamento de uma de suas lojas no sul da China, embora o grupo tenha afirmado que se tratava de "uma estratégia de ajuste" de sua rede na China.

Estratégia de fidelização"Se nossos concorrentes têm a impressão de que o setor perde fôlego, pior para eles, e melhor para nós", comentou o presidente da Dior, Sidney Toledano. "A China continua sendo um mercado-chave, e nós continuamos crescendo", acrescenta.

Toledano reconheceu que já não se pode esperar um aumento "de dois dígitos" no faturamento, e que, no mercado, haverá "uma seletividade" que irá beneficiar determinadas marcas.

A China "pede uma atenção particular" e a Dior tenta oferecê-la com exposições e desfiles regulares. Este cuidado da imagem no longo prazo "explica nossa atual posição, vigorosa e estável, em um mercado (...) muito competitivo", afirma o executivo.

Em meio à decoração opulenta de sua nova loja - um projeto do arquiteto americano Peter Marino -, em que predominam os cinzas, a Dior apresentou no sábado sua coleção primavera/verão 2016 para um público seleto, que incluiu celebridades. Um evento exclusivo, que visou à fidelização da clientela.

A coleção, que já foi apresentada há dois meses em Paris, é a última do diretor artístico belga Raf Simons, que, em outubro, surpreendeu ao anunciar sua saída da célebre maison, após três anos no cargo.

Ainda não se sabe quem o substituirá. "Não há um perfil ideal (para este cargo), é preciso encontrar um equilíbrio com a marca, seus valores (...) e a equipe da empresa, que se assemelha a uma grande orquestra", sustenta Toleadno.

O faturamento da Christian Dior Couture subiu para 1,76 bilhão de euros no ano fiscal encerrado em junho, contra o EUR 1,5 bilhão registrado no ano anterior.

jug/ple/js/meb/lb/ma/mvv

LVMH - MOET HENNESSY LOUIS VUITTON

Mais Entretenimento