Entretenimento

Lagerfeld desfila manifestação feminista para a Chanel

30/09/2014 16h24

PARIS, 30 Set 2014 (AFP) - O estilista alemão Karl Lagerfeld levou a moda para a rua - sem homens - e apresentou nesta terça-feira, em Paris, sua coleção primavera/verão 2015 para a Chanel, encenando uma manifestação feminista com um elenco de top models, entre elas a brasileira Gisele Bündchen.

Com cartazes que diziam "Faça moda, não faça guerra!", "Feminismo e não masoquismo!", as modelos desfilaram como manifestantes em uma rua tipicamente parisiense, reconstruída especialmente para a ocasião sob o teto do Grand Palais.

O australiano Baz Luhrmann, diretor do filme "O Grande Gatsby", a atriz franco-americana Julie Delpy e a editora da Vogue americana Anna Wintour assistiram ao desfile na primeira fila.

Lagerfeld também levou grandes tops para a passarela: ao lado da ubermodel Gisele Bündchen, Kendall Jenner e Cara Delevingne desfilaram looks chamativos que pareciam saídos da era psicodélica.

Em entrevista após o desfile, Lagerfeld explicou que sua mãe foi uma feminista e declarou que, para ele, a causa está vivendo um retrocesso. "Ela me dizia quando era pequeno: os homens não são muito importantes. Quando não se é muito feia, se pode ter um filho com qualquer um".



- "Divórcio para todos" -

Uma semana após o discurso de Emma Watson na ONU em favor dos direitos da mulher, os cartazes nas mãos das modelos feministas da maison fundada por Coco Chanel proclamavam: "Divórcio para todos" e "Libertem a liberdade".

"Acho que chegou a hora de insistir (sobre a mensagem) mais uma vez, especialmente na França. A atmosfera está muito hostil, em especial com esse partido (de extrema-direita), a Frente Nacional", disse o estilista.

Lagerfeld descreveu sua coleção como um jogo de mistura e combinação de estilos, e convidou as mulheres a serem criativas. Vários looks traziam o clássico blazer em tweed de modelagem masculina, escondendo quase por completa a forma do corpo feminino.

"Não é uma coleção que se tenha que usar toda, mas sim jogar com os elementos. É menos sobre moda do que um modo de vida", disse, antes de acrescentar: "Aqui não se trata de alguém dizendo o que se tem que usar, não tem porque fazer isso. Façam vocês mesmas. Vistam-se vocês mesmas", proclamou Lagerfeld. "Para a Chanel, o dia da mulher é todo os dias".

O desfile foi uma explosão de cores, como uma aquarela psicodélica em botas, lenços e casacos. Ou numa camisa, usada sob o aparato de tailleur e calças folgadas na cor cinza.

Os sapatos são tipo 'oxford' dourados e abertos, arrematados por uma tornozeleira. Eles são usados com meias e cinto combinando, um vestido chemise de gola ampla ou de um shortinho alfaiataria preto de finas listras brancas.

A paleta de cores volta a ficar sóbria, com conjuntos brancos, pretos e azul marinho. Um suéter dourado combinado com um vestidinho preto rendado dá um "up" estratégico no visual proposto pela maison Chanel.

As modelos desfilaram sozinhas ou em pequenos grupos, sorridentes e conversando entre elas, cercadas por fotos gigantes de prédios parisienses.

A Semana de Moda de Paris termina nesta quarta-feira com os desfiles das grifes Louis Vuitton e Hermès.

ltl-alm-har.zm/cr-mm

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo