Entretenimento

Operador de Bitcoin no Japão se ampara na lei de quebras

28/02/2014 22h11

TõQUIO, 01 Mar 2014 (AFP) - MtGox, o operador de bitcoins no Japão, amparou-se nesta sexta-feira na lei japonesa de quebras, após alegar que foi vítima de um roubo de 500 milhões de dólares em moeda virtual.

"Perdemos bitcoins, devido à vulnerabilidade do sistema. Lamentamos os problemas causados às pessoas afetadas", explicou o presidente da MtGox, o francês Mark Karpelès, ao tribunal de Tóquio, segundo imagens divulgadas pelas televisões japonesas.

O advogado da empresa explicou que desapareceram 750 mil bitcoins de seus clientes e outros 100 mil da própria empresa, informando que podem ter sido roubados por hackers.

Segundo a taxa de câmbio do bitcoin - 561 dólares pouco depois das 7h (horário de Brasília) -, a quantia perdida se eleva para cerca de 477 milhões de dólares (345 milhões de euros).

A rede de televisão pública NHK informou que a MtGox roubou cerca de 2,8 bilhões de ienes em espécie (cerca de 20 milhões de euros), embora não tenha dado detalhes sobre as circunstâncias. A emissora acrescentou que o tribunal de Tóquio aceitou a demanda de proteção solicitada por MtGox.

MtGox, um dos operadores de câmbio de bitcoins mais antigos e importantes, suspendeu suas transações dia 7 de fevereiro, gerando enorme preocupação entre os clientes e a pior crise na curta história dessa moeda virtual.

O presidente da MtGox está desaparecido desde terça, quando o site de sua empresa ficou fora do ar. Também não está ativo nas redes sociais, onde dispõe de numerosas contas. Em seus perfis, ele se apresenta como um programador, um criador de empresa com experiência - apesar de sua juventude - e apaixonado por gatos.



- Restrições vietnamitas - O bitcoin, que valia alguns centavos quando foi criado em 2009, chegou a ser cotado a mil dólares no final do ano passado. Apesar dos problemas da MtGox, a moeda virtual continua sendo cotada normalmente na China, na Europa e nos Estados Unidos.

As autoridades japonesas pediram aos serviços de vigilância financeira e à polícia que investiguem o caso, mas se encontram relativamente desamparados, já que esse fenômeno de bitcoin escapa de qualquer tipo de controle.

Nesta sexta, o ministro japonês das Finanças declarou que Tóquio vai tentar tomar ações a respeito.

"Sempre pensei que, em algum momento, teríamos de intervir" por causa da MtGox e do bitcoin, explicou Taro Aso. "Contudo tenho de admitir que esse momento chegou antes do previsto", disse, acrescentando que pensava que "desmoronaria em algum momento".

A presidente do Banco Central norte-americano (Fed), Janet Yellen, disse que o Fed "não tem autoridade sobre o bitcoin" e que "não é fácil regular" essa moeda virtual classificada como um "útil e inovador pagamento que criou um nicho fora do sistema bancário".

"Seria, sem dúvida, muito oportuno que o Congresso (norte-americano) se questionasse sobre o marco legal apropriado para essas moedas virtuais, que envolvem atores não tradicionais fora de todo tipo de regulação", disse Yellen no Senado.

No Vietnã, as autoridades se somaram a países como China e Rússia, para limitar o uso do bitcoin, proibindo os bancos de aceitarem a moeda nas transações. O Banco Central do Vietnã também desaconselha que se invista em bitcoins, ou se utilize essa moeda em transações, após constatar que seu uso aumentou.

burs-sps-pn/jld/af.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo