Entretenimento

ONGs denunciam julgamento de jornalistas da Al-Jazeera no Egito

30/01/2014 16h48

CAIRO, 30 Jan 2014 (AFP) - Organizações de defesa dos direitos Humanos denunciaram nesta quinta-feira o duro golpe contra a liberdade de imprensa no Egito, onde serão julgados 20 jornalistas da rede de notícias Al-Jazeera, acusados de terem feito uma cobertura favorável à Irmandade Muçulmana.

A rede com sede no Catar - país que condena a destituição e prisão do presidente islâmico Mohamed Mursi em julho - denunciou as "acusações tolas e sem fundamentos" contra seus funcionários.

A Anistia Internacional lamentou "uma grande derrota para a liberdade de imprensa", que envia a "mensagem estarrecedora de que hoje uma única versão dos fatos é aceitável no Egito: a autorizada pelas autoridades", enquanto o país está profundamente dividido entre partidários do novo governo e os da Irmandade Muçulmana, movimento ao qual pertence Mursi. Os integrantes da Irmandade têm sido violentamente reprimidos pelas forças de segurança.

A organização Repórteres Sem Fronteiras, denunciando um "assédio contra a Al-Jazeera e seus jornalistas", considera que "esta atitude só reforça as divergências na sociedade civil egípcia".

"Os jornalistas não podem trabalhar em um clima de medo (...) Com a aproximação das eleições (no Egito), uma imprensa livre é essencial", defendeu a Anistia.

Na semana passada, três jornalistas do canal público alemão ARD foram atacados nas ruas aos gritos de "traidores" e "capangas da Irmandade Muçulmana".

Na quarta-feira, o Ministério Público egípcio anunciou que 16 repórteres egípcios serão julgados por pertencerem a uma "organização terrorista" e terem "tentado comprometer a unidade nacional e a paz social", enquanto quatro estrangeiros -- dois britânicos, um australiano e um holandês -- responderão por "colaboração com os egípcios ao terem fornecido a eles dinheiro, equipamentos, informações (...) e terem difundido falsas notícias visando a divulgar informações ao exterior de que o país estava em guerra civil".

A Promotoria os acusa de manter relações com a Irmandade Muçulmana, considerada uma organização terrorista pelas autoridades

Além disso, um dirigente do governo acusaram a Al-Jazeera de seguir "as orientações políticas do Catar, único Estado do Golfo a apoiar a Irmandade Muçulmana".

Após a destituição do presidente Mohamed Mursi pelo Exército, no dia 3 de julho, as novas autoridades deram início a uma forte repressão contra seus seguidores.

Logo depois do golpe contra Mursi, vários canais foram retirados do ar, incluindo o da Irmandade Muçulmana. Dois meses depois, a justiça determinou o fechamento definitivo da filial egípcia da Al-Jazeera, a Al-Jazeera Mubasher Misr.

jds-sbh-ht/mr/dm

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo