Entretenimento

Justiça condena os três acusados de ataque com ácido ao diretor do Bolshoi

03/12/2013 11h10

MOSCOU, 03 dez 2013 (AFP) - A justiça russa declarou nesta terça-feira culpados os três acusados do ataque com ácido que feriu gravemente o diretor artístico do teatro Bolshoi, entre eles o bailarino Pavel Dimitrichenko, condenado a seis anos de prisão por ter planejado o ato.

Yuri Zarutski, o homem que jogou ácido no rosto de Serguei Filin em janeiro, foi condenado a 10 anos de prisão e o terceiro acusado, o motorista Andrei Lipatov, que facilitou a fuga, a quatro anos.

Dimitrichenko e Lipatov cumprirão a pena em um campo de regime severo e Zarutski em um campo de regime especial. A promotoria havia solicitado nove anos de prisão para Dimitrichenko, 10 para Zarutski e seis para Lipatov.

A juíza Elena Maximova também impôs o pagamento de 3,5 milhões de rublos (77.600 euros) aos acusados a título de danos de prejuízos.

O advogado de Dimitrichenko, Serguei Kadyrov, disse que a condenação era "injusta" e que pretende apelar, enquanto a advogada de Filin, Tatiana Stukalova, ainda pretende consultar o cliente.

Os três acusados estavam sendo julgados desde outubro em um tribunal moscovita pelo ataque, cometido em 17 de janeiro, diante da casa do diretor artístico do prestigioso teatro

Segundo a juíza, os três fecharam um acordo para cometer o crime.

"Dimitrichenko estava descontente com a distribuição dos papéis e os prêmios aos artistas de Filin e elaborou um plano criminoso", disse a juíza.

O bailarino, de 29 anos, algemado dentro da jaula dos réus, sorriu para o pai quando anunciaram o veredicto.

Durante o julgamento, Dimitrichenko negou que tenha desejado ferir gravemente de forma premeditada Filin, mas admitiu que pediu que ele fosse agredido. Zarutski, que executou o ataque, reconheceu que o ácido foi ideia sua.

Após o ataque, Serguei Filin, de 43 anos, teve que receber enxertos de pele e passou por várias cirurgias nos olhos na Alemanha. Em setembro ele retornou para trabalhar no teatro, protegido por um segurança, mas pouco depois teve que retornar à Alemanha para um novo tratamento na vista.



Rivais sem piedade

O caso revelou as rivalidades sem piedade entre os bailarinos do célebre teatro Bolshoi, o mais prestigioso da Rússia e conhecida em todo o mundo.

O caso também teve consequências na organização do teatro e o bailarino principal da companhia, Nikolai Tsiskaridze, em conflito com Filin, foi demitido em junho por ter duvidado da gravidade dos ferimentos do rival.

Anatoli Iksanov, ex-diretor do teatro, acusou Tsiskaridze de ter estimulado a agressão.

Um mês mais tarde, no entanto, Iksanov também foi demitido.

O teatro se foi afetado por outros escândalos. Em novembro, uma bailarina americana, Joy Womack, afirmou ao jornal Izvestia que deixou o Bolshoi ao ser informada que teria que pagar 10.000 dólares para ser escolhida como solista.

Na segunda-feira, o maestro e diretor musical do teatro, Vasili Sinaiski, pediu demissão, apenas 15 dias antes da esperada estreia da ópera "Don Carlo", de Verdi.

Vladimir Urin, substituto de Iksanov, tem por missão restabelecer a ordem no teatro e melhorar sua imagem.

or-edy/fp

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo