Entretenimento

Autoridades caçam homem que atacou jornal francês

18/11/2013 16h04

PARIS, 18 Nov 2013 (AFP) - A polícia francesa buscava nesta segunda-feira em Paris o homem armado com um fuzil que feriu gravemente um fotógrafo do jornal Libération, em um ataque que provocou comoção e o reforço da segurança dos grandes meios de comunicação.

O homem também é suspeito de ter disparado em frente a um banco na periferia da capital e de ter sequestrado rapidamente um motociclista.

"A pista de um único autor é privilegiada", declarou o procurador de Paris durante uma coletiva de imprensa no final da tarde.

A polícia lançou um apelo por informações do suspeito, que teve divulgada sua imagem captada por uma câmera de segurança.

"O indivíduo representa um perigo real", disse o ministro do Interior, Manuel Valls, em frente à sede do jornal, ressaltando: "Vamos fazer de tudo para capturar essa pessoa".

Durante a tarde, um helicóptero sobrevoou a famosa avenida Champs-Elysées, depois de a polícia ter recebido denúncias de que o homem teria sido visto em ruas próximas e no metrô.

Esse ataque - o segundo em quatro dias contra um veículo da imprensa francesa - preocupou os franceses e o presidente François Hollande pediu a "mobilização de todos os meios para deter o ou os autores".

Às 10h15 (07h15 de Brasília), o homem entrou na sede do jornal, no coração de Paris, e disparou duas vezes, atingindo a vítima, um fotógrafo assistente de 27 anos, no tórax e abdômen, segundo fontes da polícia e do jornal.

A vítima está internada em estado grave.

"Quando cheguei, vi um homem no chão, com sangue por todos os lados e com as mãos na barriga. Encontrei dois colegas que estavam no local, completamente pálidos, que me contaram que tinham sido atacados e se escondido atrás do balcão da recepção", declarou à AFP uma colaboradora do Libération, Anastasia Vécrin.

Durante uma coletiva de imprensa, Valls falou de um "cenário de guerra" e de um ataque "de extrema violência", que "nada tem a ver com a democracia".

Um perímetro de segurança foi estabelecido em torno da sede do Libération, que teve os acessos bloqueados.

A brigada criminal da Polícia Judicial de Paris abriu uma investigação.



Segurança reforçada nas sedes dos grandes veículos de imprensa

"Todas as medidas foram tomadas para encontrar a pessoa que cometeu esse ato e para garantir a segurança de todos os meios de comunicação na capital", indicou a ministra francesa da Cultura e da Comunicação Aurélie Filippetti, que também estava no local.

Segundo ela, "esta é a primeira vez que um jornal é atacado dessa maneira".

O homem também é suspeito de ser o responsável pelo ataque, na sexta-feira passada, contra a sede do canal de notícias BFMTV, em Paris. Ele teria ameaçado os jornalistas, antes de fugir.

Segundo fontes ligadas à investigação, imagens do suspeito gravadas no jornal Libération "correspondem" às imagens do agressor do BFMTV.

O suspeito teria cerca de 40 anos, é branco e vestia uma calça jeans clara no momento do ataque ao jornal.

Os investigadores também tentam estabelecer se o suspeito é o autor dos disparos no início desta tarde na sede do banco Société Générale, em La Défense, perto de Paris.

Segundo uma testemunha, o homem também estava armado com um fuzil e vestia roupas parecidas.

Pouco depois, um motociclista disse ter sido feito refém por um homem armado que o obrigou a levá-lo até uma avenida próxima a Champs-Elysées.

Nesta segunda-feira, os jornais Le Parisien, Le Monde, Les Echos, Le Figaro e Europe 1 informaram à AFP que haviam reforçado suas medidas de segurança e de acesso às suas instalações.

"Somos as testemunhas horrorizadas de um drama. Quando alguém entra com um fuzil em um jornal é algo muito grave em uma democracia, independentemente do estado mental da pessoa", declarou à AFP o diretor de publicação do Libération, Nicolas Demorand.

"Caso os jornais e os meios de comunicação tenham que virar bunkers, algo não anda bem em nossa sociedade", completou.

Nesta tarde o Libération também foi alvo de um ataque de pirataria, que impediu a atualização de seu jornal on-line.

A agressão contra o Libération provocou fortes reações da classe política francesa. O primeiro secretário do Partido Socialista, Harlem Désir, prestou sua "total solidariedade", enquanto Jean-François Copé, presidente do partido de oposição de direita (UMP), disse que está "indignado" e "chocado" com o ataque.

tup-cto/dab/alc/prh/ml/mr/dm

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo