Entretenimento

Cem anos de Vinicius de Moraes, o eterno 'poetinha' do Rio

18/10/2013 15h26

RIO DE JANEIRO, 18 Out 2013 (AFP) - No bar de Ipanema que sempre frequentou, em um mundo tão eterno quanto suas canções, Vinícius de Moraes celebraria neste sábado seus 100 anos, com um uísque em uma mão, um cigarro na outra, rodeado de amigos e de lindas mulheres.

O violão ficaria em casa. As visitas ao bar Veloso, que passou mais tarde a se chamar Garota de Ipanema (em homenagem à lendária canção da bossa nova), raramente eram para trabalhar.

"Ele nunca trazia o violão, vinha para aproveitar", lembra Manuel Inácio Alves, dono do Garota de Ipanema há 37 anos e que lhe serviu uísque muitas vezes. "Ele adorava", contou à AFP.

A vida de Marcos Vinicius da Cruz e Melo Moraes, o "poetinha", como ele gostava de ser chamado, começou em 18 de outubro de 1913. Ele morreu em 9 de julho de 1980, em sua casa, no bairro da Gávea, perto do Jardim Botânico, onde nasceu, há 66 anos.

O Brasil renderá no sábado inúmeras homenagens a este poeta, diplomata e escritor de canções imortais, como "Garota de Ipanema", "Chega de Saudade", "Se todos fossem iguais a você", "Eu sei que vou te amar", músicas essencialmente cariocas, mas que muitos no mundo devem, pelo menos, cantarolar.

Shows e documentários serão apresentados esta semana no Rio de Janeiro e edições especiais de sua obra poética e musical serão vendidas.

O escritor Carlos Drummond de Andrade certa vez disse que Vinicius, "o único poeta que viveu como poeta", levou sua poesia "até as camadas populares", algo "extraordinário".

Ainda assim, ele foi alvo de críticas por sua incursão na música, na década de 1960, porque teria deixado para trás, de certa forma, a sua faceta poética.

"Eu sou um labirinto em busca de uma porta de saída", afirmou Vinícius em uma entrevista à TV Globo, em 1977.



As faces de Vinícius

O lado mais conhecido de Vinicius era o que se apresentava no palco, mas em sua juventude ele foi um poeta que exaltou de forma apaixonada os sentimentos e apresentou o lado mais obscuro do homem.

"Para isso é que nós fomos feitos / Para lembrar e sermos lembrados / para chorar e fazer chorar / para enterrar os nossos mortos", diz o seu "Poema de Natal".

"Vinicius nunca aprendeu a viver sem poesia. Na velocidade do cotidiano quase nunca cabe a poesia, mas ela sempre o acompanhava", disse à AFP Toquinho, cantor e compositor com quem Vinicius trabalhou em sua última década de vida.

Sua carreira diplomática começou em 1943. Ele trabalhou em Los Angeles, Paris, Roma e Montevidéu, deixando o serviço depois de ser expulso pelo governo militar brasileiro (1964-1985).

Em 1953, Vinicius escreveu a peça "Orfeu Negro", premiada em São Paulo e apresentada em 1956, com cenários do célebre arquiteto Oscar Niemeyer. A peça foi adaptada para o cinema com o nome "Orfeu de Carnaval", em 1959, pelo francês Marcel Camus e ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes.



Que me desculpem as feias...

As mulheres - somente as bonitas, como esclareceu - sempre foram sua inspiração.

"Que me desculpem as feias, mas beleza é fundamental", disse Vinicius, um conquistador inveterado. "Já amei feias lindas, feias interessantes. Estive com mulheres que me agradavam esteticamente, mas elas não eram só beleza, tinham alguma coisa que me atraía", tentou reparar-se.

Na canção "Minha Namorada", por exemplo, Vinicius pede apaixonadamente à sua "linda namorada um juramento de só ter um pensamento / ser só minha até a morte".

Casado nove vezes - "todas foram companheiras maravilhosas", afirmou - Vinicius era um especialista em conquistar mulheres, com ou sem violão. O encanto de seu sorriso, de seu cabelo penteado para trás e de sua barriga saliente, testemunha de sua boa vida, derretiam qualquer uma.

"Gostava das meninas jovens, adorava o amor", lembrou entre gargalhadas Manuel Alves.

Vinicius chegava ao Garota de Ipanema acompanhado de Antonio Carlos Jobim, seu grande companheiro e amigo, com quem compôs a famosa canção que mudou o nome do antigo bar Veloso.

A música não foi composta no bar, como muitos acreditam. Jobim criou a melodia em sua casa para um musical escrito por Vinicius intitulado "Blimp", sobre um extraterrestre apaixonado por uma morena, mas ela terminou servindo para este clássico que inicialmente foi chamado de "Menina que passa".

Vinicius de Moraes, "o branco mais preto do Brasil", também dividiu os palcos, entre outros, com Baden Powell, João Gilberto, Chico Buarque, Carlos Lyra e Toquinho, que ganhou o poeta com "Tarde em Itapoã" e o acompanhou até morrer quase em seus braços.

"No início me senti vítima de uma blasfêmia da vida, mas aceitei depois como um privilégio ter sido o escolhido para viver as últimas horas do poeta", afirmou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo