Entretenimento

Irina Bokova é reeleita na direção-geral da Unesco

04/10/2013 18h59

PARIS, 04 Out 2013 (AFP) - A diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e Cultura (Unesco), a búlgara Irina Bokova, foi reeleita nesta sexta-feira no primeiro turno da votação, anunciou à AFP um porta-voz da agência da ONU.

"Irina Bokova venceu com 39 votos" de um total de 58 membros do Conselho Executivo da Unesco, disse à AFP Lucía Iglesias Kuntz.

"Rachad Farah teve 13 votos e Joseph Maila, 6 votos", acrescentou a porta-voz, em alusão aos dois rivais de Bokova para presidir a Unesco por quatro anos.

Bokova era a favorita, embora a eleição se anunciasse difícil devido às candidaturas de Rachad Farah, embaixador do Djibuti na França, e do universitário libanês Joseph Maila.

Para pedir um novo mandato, Bokova defendeu a normalização da organização e uma gestão rigorosa.

Farah e Maila afirmaram, ao contrário, que a Unesco está perdendo sua grandeza e razão de ser.

Eleita diretora-geral da Unesco em 2009, Bokova precisou enfrentar a crise financeira causada pela suspensão da contribuição americana ao orçamento a partir da incorporação da Palestina, que se tornou em 31 de outubro de 2011 o 195º membro da organização.

A decisão dos Estados Unidos significou um corte de 22% no orçamento da Unesco, que passou de US$ 653 milhões para US$ 507 milhões.

"A crise financeira ficou para trás", afirmou Bokova esta semana diante dos 58 representantes dos países-membros.

No entanto, declarou-se "preocupada", considerando que US$ 507 milhões é "um montante irrisório em comparação com o nosso mandato".

Para respeitar o orçamento, 300 pessoas correm o risco de perder seus empregos. Mil e duzentas pessoas trabalham para a Unesco em sua sede em Paris e 900 pessoas em outras partes do mundo.

Eric Falt, vice-diretor-geral para as Relações Exteriores, relatou à AFP o "trauma" que significou a retirada da contribuição americana. "A Unesco podia ter desaparecido", afirmou, avaliando que depois de "sobreviver a esta crise, não é o momento de trocar o capitão".

Bokova "arrecadou 75 milhões de dólares (de outros membros após a retirada dos Estados Unidos) e não suprimiu nenhum cargo, nem nenhum dos principais programas" apesar da redução orçamentária, afirmou à AFP um embaixador ocidental que pediu para ter sua identidade preservada.

Mas outras posições foram menos taxativas. Bokova "é popular entre aqueles que queriam que esta reforma fosse feita e impopular entre aqueles que a sofreram", afirmou um diplomata árabe, acrescentando que ela "se negou a mudar o nível de contribuições", como propunham vários países.

Diplomata de carreira, ex-comunista transformada em uma europeísta convicta, Bokova foi a primeira mulher a chefiar a Unesco ao ser eleita pela primeira vez ao cargo, em 2009.

Além do búlgaro, ela fala inglês, espanhol, francês e russo. É casada e mãe de dois filhos.

Sua reeleição deverá ser aprovada em 12 de novembro pela Conferência Geral, que reúne os 195 Estados-membros da Organização.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo