PUBLICIDADE
Topo

Entretenimento


"É hora de perdoar", diz vítima sexual de Polanski ao lançar livro

Capa do livro "The Girl: A Life in the Shadow of Roman Polanski", de Samantha Geimer - Reprodução
Capa do livro "The Girl: A Life in the Shadow of Roman Polanski", de Samantha Geimer Imagem: Reprodução

17/09/2013 22h57

Trinta e seis anos depois de ter sido violentada pelo diretor de cinema franco-polonês Roman Polanski, quando tinha 13 anos, a americana Samantha Geimer lançou suas memórias nesta terça-feira, nos EUA. Para Samantha, é hora de "recuperar sua própria história" e "perdoar".

Em "The Girl: A Life in the Shadow of Roman Polanski" ("A garota: uma vida à sombra de Roman Polanski", em tradução livre), livro coescrito com seu advogado, Samantha, hoje com 50 anos, conta em detalhes o ocorrido na tarde de 10 de março de 1977, quando Polanski a fez posar para fotos, deu-lhe champanhe para beber e deixou-a descansando antes de ter relações sexuais não consentidas com ela durante uma festa na casa do ator Jack Nicholson.

Sob a influência do álcool e das drogas, impressionada pela fama e pela diferença de idade, ela diz que não lutou contra, que deixou o cineasta dominá-la. "Por que lutar?", escreveu. "Faria qualquer coisa para que aquilo acabasse".

Samantha conta seu medo, as lágrimas mais tarde no carro, enquanto Polanski a levava para casa e lhe perguntava se estava bem. "Sim, estou bem, não se preocupe", ela lhe respondeu. Nesse momento, o cineasta pedia à adolescente que não contasse nada à mãe dela.

"Eu estava sendo fotografada por Roman Polanski e me estupraram", escreveu depois em seu diário, de acordo com o livro.

Sua vida mudou para sempre, e ela diz que, com frequência, pergunta-se se fez bem em não contar o que aconteceu.

Durante 13 anos, viveu sob a pressão implacável da mídia, da polícia e do tribunal da Califórnia, apesar dos esforços de sua família para protegê-la.

"O que aconteceu não foi pior do que o que iria acontecer depois", escreveu.

Em seu livro, Geimer denunciou o sistema judicial da Califórnia e os "atores corruptos com um maior objetivo da publicidade do que com a preocupação com a justiça".

Aos 13 anos, "meu crime foi ter sido vítima de um estupro por parte de uma celebridade de Hollywood", denuncia.

Hoje, Samantha é uma mãe de três filhos já crescidos, que divide seu tempo entre o Havaí e Nevada.

"Minha família nunca pediu que Polanski fosse punido... Apenas queríamos que a máquina judicial parasse", escreve ela.

No final de livro, Samantha diz que perdoou Polanski, que ficou 42 dias de preso e foi solto após pagamento de fiança. O cineasta acabou fugindo para a Europa antes do anúncio da sentença.

"Não o perdoei por ele, fiz por mim", explicou.

Entretenimento