Topo

Entretenimento

Che Guevara foi parcialmente degolado por captores, diz novo livro

AP Photo
Corpo do guerrilheiro argentino Ernesto Che Guevara é observado por militares e repórteres em Vallegrande, na Bolívia, um dia depois de sua captura e morte pelo exército boliviano, em 9 de outubro de 1967 Imagem: AP Photo

De Havana (Cuba)

05/07/2013 14h52Atualizada em 05/07/2013 17h08

O guerrilheiro argentino-cubano Ernesto Che Guevara, morto por militares na Bolívia em 9 de outubro de 1967, foi parcialmente degolado por seus captores, que, além disso, cortaram suas mãos, segundo um livro de dois historiadores cubanos.

"Há detalhes que assombram a qualquer leitor, como a tentativa de cortar a cabeça de Che (algo iniciado, mas não terminado); o corte de suas mãos (que foi feito); os golpes que aplicaram nele, vivo e morto", afirma o livro "O Assassinato de Che na Bolívia. Revelações", lançado nesta sexta-feira (5) pelo jornal "Juventud Rebelde".

O livro é obra dos pesquisadores Adys Cupull e Froilán González, que durante mais de 30 anos investigaram a vida e a morte de Guevara.

"Foram reveladas as atuações indignas dos assassinos: vários oficiais se apropriaram de quatro relógios Rolex dos guerrilheiros, e dos dólares americanos, canadenses e pesos bolivianos que Che, como chefe, tinha", segundo o "Juventud Rebelde".

"Andrés Sélich, um dos chefes militares, arrancou com força parte da barba de Che", acrescentou.

As mãos de Guevara foram levadas para Cuba pelo ex-ministro do Interior boliviano Antonio Arguedas, que também entregou ao governo de Fidel Castro uma cópia fotostática de seu diário de campanha.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento