Topo

Entretenimento

Salafistas tunisianos retomam ataques contra eventos culturais

Em Túnis

17/08/2012 10h48

Salafistas retomaram os ataques contra eventos culturais na Tunísia e impediram a realização de espetáculos considerados contrários ao Islã, o que levou os artistas a denunciarem a "cumplicidade do governo dominado por islamitas".

Na noite de quinta-feira (16), cerca de 200 pessoas com pedaços de paus e facões invadiram um encontro organizado em Bizerta (norte) por ocasião do "Dia de al Aqsa" (Al Aqsa é Jerusalém em árabe), uma comemoração antijudia.

No confronto, cinco pessoas ficaram feridas. Segundo o ministério do Interior, a polícia interveio e prendeu quatro salafistas.

Trata-se do terceiro espetáculo em três dias interrompido por islamitas radicais, uma nova onda de violência depois do ataque a uma exposição de arte perto de Túnis, em junho passado.

Na noite de terça-feira (14), em Menzel Burguiba (norte), islamitas radicais bloquearam o palco em que o famoso cômico local Lofti Abdeli, acusado de ofender o Islã, ia se apresentar.

No dia seguinte, desta vez em Kairuan (sul), o grupo iraniano Mehrab não pôde se apresentar no Festival Internacional de Música Sacra e Sufi pelo simples fato de ser xiita, o que, para os fundamentalistas sunitas, representa uma ofensa religiosa.

Nenhum movimento radical reivindicou os atos e o principal grupo, Ansar al Sharia (Os Partidários da Sharia), negam qualquer contato com os fatos.

As forças de segurança, que dispersaram os movimentos, se mostram discretas a respeito dos incidentes. Por isso, como o governo, são consideradas suspeitas de cumplicidade com os islamitas.

O ministério do Interior, contactado pela AFP, não quis comentar estas acusações.

Mais Entretenimento