Entretenimento

Romance sadomasoquista "Cinquenta Tons de Cinza" vira febre no mercado editorial

Divulgação
Capa de "50 Tons de Cinza", de E. L. James Imagem: Divulgação

06/08/2012 12h38

Fenômeno literário sem precedentes, com quase 40 milhões de livros vendidos em poucos meses, "Cinquenta tons de Cinza", romance erótico com tons de sadomasoquismo, escrito por uma mãe de família de 49 anos, está prestes a superar todos os recordes do mundo editorial.

"Nunca antes um livro destinado a um público adulto tinha vendido tanto e tão rápido", informou a Random House, editora do livro em inglês.

Por enquanto, só os sete volumes de Harry Potter superam a história de Anastasia Steele e Christian Grey, o lascivo casal da trilogia de E.L. James.

Assim como J.K. Rowling, autora da saga de Harry Potter, E.L. James é britânica.

Mas até agora ninguém tinha ouvido falar desta executiva de televisão, inventora de um novo gênero literário, híbrido entre o romance açucarado e o erotismo sem tabus.

Seu protagonista, Christian Grey, é um enigmático multimilionário que, segundo diz o livro, "não deve nada ao Davi de Michelangelo".

O personagem poderia ter saído de um romance banal, se ele não desse uma surra na jovem virgem Anastasia pouco depois de conhecê-la e antes de convidá-la a encarnar uma "dominante-submissa", com referências a chicotes e algemas da parafernália sadomasoquista.

A trilogia de 1.500 páginas, que começa com "Cinquenta Tons de Cinza" e segue com "Cinquenta Tons Mais Escuros" e "Cinquenta Tons de Liberdade", leva o leitor a descobrir os cinquenta tons de cinza da atormentada alma do multimilionário.

Um objetivo que a cada dez páginas é interrompido com a "explosão dos sentidos" dos protagonistas em jogos eróticos de alta voltagem, com grande riqueza de detalhes.

E.L. James, que disse ter se inspirado na saga "Crepúsculo", publicou trechos de sua trilogia em uma "fan page" da série americana para adolescentes, antes de editar "Cinquenta tons de cinza" como livro eletrônico em maio de 2011.

Muito em breve, centenas de milhares de pessoas baixaram os volumes na web.

"Em 6 de março de 2012 nos propuseram o livro (...), o avalizamos em uma noite (...) e em 12 tínhamos concluído a cessão de direitos", contou à AFP Susan Sandon, diretora executiva da Random House.

Há cinco meses, "Cinquenta tons de cinza" vende como pão quente. Foram 31 milhões de cópias em inglês, 20 milhões nos Estados Unidos, onde algumas livrarias, a princípio, recusaram o livro por considerá-lo "inadequado". Um total de 43 países comprou os direitos, garantiu a agente da autora, Valerie Hoskins.

E.L. James já trabalha em seu próximo livro, um segredo guardado a sete chaves na casa a oeste de Londres que a autora divide com seu marido há mais de vinte anos e os dois filhos adolescentes.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo