Entretenimento

Renasce, em Paris, o Palácio de Tóquio, um espaço da arte contemporânea

17/04/2012 16h30

PARIS, 17 Abr 2012 (AFP) -Vinte e dois mil metros quadrados dedicados à arte contemporânea, em Paris! O Palácio de Tóquio reabre as portas nesta quinta-feira, após ter reconquistado espaços, na expectativa de se tornar um polo maior de criação, na Europa.

O prédio monumental, próximo da torre Eiffel, permaneceu fechado durante dez meses para obras de reforma.

Alojado num edifício Art Deco, construído em 1937 para a Exposição Universal, o Palácio de Tóquio será o "antimuseu por excelência", afirmou seu diretor Jean de Loisy, durante a apresentação à imprensa do novo templo da arte.

A renovação, no valor de 20 milhões de euros (26,2 milhões de dólares), ficou a cargo dos arquitetos Anne Lacaton e Jean-Philippe Vassal, que optaram por derrubar paredes e divisórias, abrindo um imenso espaço subterrâneo.

Cimento e estruturas aparentes. A alguns dias da abertura, os operários se apressam para preparar os locais dedicados à grande exposição inaugural, a Trienal, que estará aberta à visitação a partir de 20 de abril.

O renascimento da casa será celebrado da noite de quinta-feira até a meia-noite de sexta, com uma abertura 'non stop' de 28 horas, marcada por concertos, conferências, espetáculos: a ideia é transmitir "uma intensa visão acelerada e alucinatória da energia que afluirá ao local nos próximos anos", anunciam os organizadores.

á

"Arte Venenosa"

--------------

á

O público vai descobrir várias obras que vão permanecer em exposição durante cerca de um ano. Assim, Christian Marclay, artista plástico americano-suíço, que obteve o Leão de Ouro da Bienal de Veneza em 2011, imaginou os "vitraux" das janelas do restaurante cobertos de imitações de desenhos animados. É "o som da vida que volta" ao local, após vários meses de fechamento, comentou Jean de Loisy.

O visitante encontra, em seguida, uma obra de Maria Loboda, de origem polonesa, cujos pigmentos são compostos de venenos destilados (arsênico, cianurete, mercúrio...). "Quero que se sinta o caráter venenoso da arte", declarou o diretor do palácio. "A arte transforma, salva ou destrói".

Uma espetacular escultura do belga Peter Buggenhout "The Blind leading the Blind" (o cego guiando o cego) está suspensa na escada.

O francês Jean-Michel Alberola criou um "Quarto de instruções", feito de imposições escritas pelo artista para transformar o presente, para os que não acreditam mais em utopias: "retomem a conversação" ou ainda "a questão do poder é a única resposta".

Em quatro andares, o Palácio de Toquio vai propor exposições temporais, monografias sobre artistas de diferentes gerações, dando carta branca aos criadores.

O auditório de 500 lugares procura, ainda, um mecenas, para sua renovação. Um restaurante, com vista para o Sena, abrirá em setembro.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo