Entretenimento

James Murdoch renuncia à presidência da BSkyB depois do escândalo das escutas

03/04/2012 13h05

LONDRES, 3 Abr 2012 (AFP) -James Murdoch, filho do magnata das comunicações Rupert Murdoch, se afastou nesta terça-feira da presidência da BSkyB depois de meses de pressão devido aos escândalos das escutas telefônicas ilegais no tabloide News of the World, anunciou a maior plataforma televisiva britânica.

Esta renúncia acontece pouco mais de um mês depois que ele também deixou a presidência da News International, a subsidiária britânica do News Corp. que editava o popular jornal dominical extinto em julho de 2011.

Em sua carta de demissão, James Murdoch, de 39 anos, explicou que não queria prejudicar a BSkyB, da qual a News Corp. também é o primeiro acionista com uma participação de 39%, com "assuntos externos à esfera da companhia".

"Sou consciente de que meu papel como presidente pode ser um empecilho para a BSkyB e acho que minha renúncia ajudará a assegurar que não existe um falso vínculo com os acontecimentos em uma organização separada", acrescentou o comunicado da BSkyB.

James Murdoch, que ocupava a presidência da plataforma desde 2007 depois de ter sido diretor geral durante quatro anos, será substituído no cargo pelo atual vice-presidente, Nicholas Ferguson. Ele manterá, no entanto, um cargo de diretor não-executivo na BSkyB.

Considerado há um tempo sucessor natural de seu pai, o jovem Murdoch havia sido reeleito no final do ano passado, apesar da oposição de cerca de um quinto dos acionistas devido ao escândalo das escutas o hoje extinto News of the World, que abalou a reputação da News Corp.

A indignação provocada por este caso no Reino Unido também obrigou em meados do ano passado a News Corp. a desistir do projeto de compra dos 61% restantes da BSkyB por 12 bilhões de dólares (9 bilhões de euros).

Além disso, a BSkyB está sendo investigada pelo regulador das telecomunicações, o Ofscom, que poderá chegar a retirar sua licença se considerar que a News Corp. já não constitui um acionista "conveniente".

James Murdoch sempre negou ter estado a par das escutas no News of the World, incluindo em dois comparecimentos ante a comissão parlamentar que investiga o caso. Este comitê deve publicar seu relatório no final de abril.

O escândalo das escutas começou a ser investigado em 2006, mas se agravou depois da reabertura da investigação, no início de 2011, até obrigar Murdoch a fechar o tabloide.

O News of the World é acusado de ter grampeado desde 2000 as caixas de mensagem de voz dos celulares de 800 pessoas, incluindo famosos, políticos e membros da família real, mas também de vítimas de crimes para tentar obter informações exclusivas.

Nos últimos meses, mais de 20 ex-empregados do jornal foram detidos, interrogados e liberados em conexão com as escutas pela polícia, que investiga também supostos subornos a policiais por jornalistas do News of the World e do The Sun, outra popular publicação do News Corp.

Rupert Murdoch desembolsou até agora milhões de libras em indenizações para autores de ações para evitar julgamentos mais onerosos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo