Entretenimento

Inglaterra celebra o bicentenário de Charles Dickens

06/02/2012 15h49

LONDRES, 6 Fev 2012 (AFP) -O Reino Unido celebra nesta terça-feira o bicentenário do nascimento de Charles Dickens, um dos grandes clássicos aclamados da literatura universal, que teve seus romances adaptados profusamente para o cinema e o teatro.

Estão programados vários eventos para marcar o aniversário, entre eles uma festa popular na cidade litorânea de Portsmouth (sul da Inglaterra) onde nasceu, no dia 7 de fevereiro de 1812.

O príncipe Charles, herdeiro da Coroa britânica, e o conhecido ator Ralph Fiennes vão participar de uma cerimônia no túmulo de Dickens, na abadia londrina de Westminster.

Os livros de Charles Dickens gozam ainda hoje de grande popularidade e a última de uma longa lista de adaptações, "Great Expectations" (Grandes Esperanças), protagonizada por Fiennes e Helena Bonham Carter, deve estrear ainda este ano no cinema.

Claire Tomalin, uma das biógrafas do escritor, acha que na atualidade ninguém pode ser comparado a Dickens.

"Possuía uma energia extraordinária, sendo um trabalhador incansável. Seus três primeiros romances -"Os Cadernos Póstumos do Clube Pickwick", "Oliver Twist" e "Nicholas Nickleby"- foram publicadas inicialmente como folhetos que saíam uma vez por mês", explicou Claire Tomalin à AFP.

Os romances de Dickens foram influenciados por suas primeiras experiências, desde a infância feliz no sudeste da Inglaterra, antes da prisão de seu pai, por não pagamento de dívidas, até a pobreza posterior.

Aos 12 anos, foi obrigado a trabalhar numa fábrica, onde passava o dia colando etiquetas nos potes de graxa, o que inspirou outro de seus mais famosos livros, "David Copperfield", publicado em 1850.

Mais tarde, apesar de ter ido à escola de forma intermitente, Dickens foi contratado como mensageiro, num escritório de advogados. Tinha 15 anos.

"O mais extraordinária sobre sua vida é que nove anos depois tornou-se famoso como o autor de 'Os Cadernos Póstumos do Clube Pickwick'", disse Tomalin.

"Conseguiu fazê-lo aprendendo taquigrafia, relatando sessões judiciais ou parlamentares e escrevendo para um jornal", disse.

"Era um escritor genial. Depois de Shakespeare, foi o melhor inventor de personagens", acrescentou.

Dickens tinha também uma vida menos pública na qual ajudou a financiar uma casa para ajudar as "mulheres perdidas", oferecendo às prostitutas a possibilidade de começar uma nova vida.

Esta vocação vitoriana ocupou muitos anos de sua vida, mas ainda encontrou tempo para ter 10 filhos e manter uma prodigiosa produção de livros e artigos, sem esquecer as inúmeras conferências que presidia.

Ao contrário de muitos grandes escritores e artistas, Dickens foi uma estrela em sua época e, segundo a biógrafa, dava aos leitores exatamente o que queriam.

"Mostrava que as pessoas comuns eram tão interessantes quanto as ricas, famosas e fabulosas", explicou.

"E conseguiu. Era muito divertido, fazia as pessoas rirem", concluiu. "Conseguia, também, fazer com que chorassem, lendo seus escritos emocionantes".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo