Entretenimento

Líderes mundiais assistirão a funeral de Vaclav Havel

20/12/2011 16h52

PRAGA, 20 dez 2011 (AFP) -Muitos líderes estrangeiros assistirão ao funeral de Vaclav Havel na próxima sexta-feira em Praga, enquanto as autoridades tchecas e a população continuaram com as homenageados nesta terça.

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, participará da cerimônia, anunciou oficialmente a presidência francesa em comunicado.

A imprensa tcheca e pessoas próximas a Vaclav Havel, que morreu aos 75 anos, confirmaram a presença da secretária de Estado americana Hillary Clinton e seu marido, o ex-presidente Bill Clinton, da chanceler alemã Angela Merkel e do presidente israelense, Shimon Peres.

O líder histórico do Sindicato da Solidariedade e ex-presidente polonês Lech Walesa também é esperado em Praga.

Em todo o país, as bandeiras foram hasteadas a meio mastro.

Pela manhã, os deputados tchecos prestaram homenagem com um minuto de silêncio para o ex-dissidente, dramaturgo e herói da "Revolução de Veludo" anti-comunista de 1989. A presidente da Casa, Miroslava Nemcova, leu diante da assembleia fragmentos reunidos de discursos de Vaclav Havel.

Cidadãos faziam fila nesta terça-feira para ver o caixão, exposto ao público na segunda-feira em uma antiga igreja no centro de Praga, sede da Fundação Vision 97, criada por Vaclav Havel.

Centenas de pessoas foram para o Castelo de Praga, sede da Presidência, para assinar o livro de condolências.

O caixão será levado na manhã de quarta-feira para o Castelo de Praga para ser exibido na sala Vladislas. do estilo gótico tardio, a sala Vladislas foi palco da primeira eleição de Vaclav Havel para o posto mais alto do país em 29 de dezembro de 1989.

Uma cerimônia com a presença dos mais altos líderes tchecos está marcada para sexta-feira de manhã. Em seguida, o caixão será levado para a catedral nas proximidades.

Vaclav Havel será provavelmente enterrado no mausoléu da família, localizado no cemitério de Praga-Vinohrady, segundo a imprensa tcheca.

O presidente estava "muito cansado" antes de sua morte, de acordo com Tomas Bouzek, seu médico pessoal. "O que o mantinha vivo era sua vontade", declarou ao jornal Dnes.

Ele presidiu a Tchecoslováquia entre 1989 e 1992, antes da divisão amigável e da criação da República Tcheca e da Eslováquia. Depois, tornou-se chefe de Estado da República Tcheca entre 1993 e 2003.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo