Entretenimento

Morre Christa Wolf, a mais famosa escritora da Alemanha Oriental

EFE/Gunter Gueffroy
A escritora alemã Christa Wolf em foto de arquivo de 1989 Imagem: EFE/Gunter Gueffroy

01/12/2011 16h30

BERLIM, Alemanha, 1 dez 2011 (AFP) -A escritora Christa Wolf, considerada uma das maiores romancistas da então República Democrática Alemã, faleceu nesta quinta-feira num hospital de Berlim aos 82 anos, depois de uma longa enfermidade, anunciou a Editora Suhrkamp-Verlag.

Nascida em 1929 na Prússia Oriental (hoje território polonês), ela contribuiu para o nascimento de uma literatura própria da extinta RDA, com seus primeiros livros e o conto Der geteilte Himmel (Céu dividido), de 1963, onde o sonho de uma nova sociedade se misturava ao de um desabrochar individual.

Na RDA (República Democrática Alemã), durante um tempo, teve carreira consolidada como personalidade aliada ao socialismo.

Em 1965, no entanto, quando ela se posicionou contra a censura e a homogeneização da literatura, numa sessão do SED, o partido único da então Alemanha Oriental, sua carreira entrou em declínio no país, com seus livros tornando-se raros nas livrarias da RDA.

Com a frase "Quem sou eu, de fato, e o que me impede de ser eu mesma?" Christa Wolf inicia o livro Nachdenken über Christa T. (Em memória de Christa T.), que marcou seu sucesso.

A fama no lado ocidental foi se consolidando. Com Kindheitsmuster (Modelo de uma infância), publicado em 1976, a escritora transformou-se em referência entre os clássicos da literatura alemã dos dois lados do Muro.

O presidente da República alemã, Christian Wulff, disse, nesta quinta-feira, que os livros de Christa Wolf "emocionaram e encheram de entusiasmo nosso país, levando-o à reflexão". "Para leitores e leitoras, Christa Wolf era mais que uma romancista. Ela acreditava ainda, à sua maneira, sempre muito atual, no bem e na capacidade de o ser humano de melhorar", acrescentou.

"A Alemanha perdeu com Christa Wolf uma das autoras contemporâneas mais importantes", reagiu o ministro alemão da Cultura, Bernd Neumann, qualificando seus livros de "obras-primas artísticas de alto nível".

A escritora recebeu, em 1980, o prêmio Georg-Büchner, a maior distinção literária alemã, e por duas vezes o "prêmio nacional da RDA".

Em 1990, recebeu o título de 'Officier des Arts et des Lettres' oficial das Artes e das Letras, do então ministro francês da Cultura, Jack Lang.

Nos anos 90, as revelações da imprensa sobre seus contatos com a Stasi, a polícia secreta da RDA, na década de 1960, arranharam sua imagem, levando-a a um exílio temporário nos Estados Unidos.

Amiga de Günter Grass, teve duas filhas do casamento com o escritor Gerhard Wolf.

A vida da família Jordan, em Modelo de uma Infância, passada durante o nazismo e a Segunda Guerra Mundial, foi a história da própria Christa Wolf, que, como sua heroína Nelly, nasceu em Landsberg/Warthe, em 1929.

Como nenhuma outra escritora, abriu espaço, através da linguagem, para uma nova consciência. O movimento feminista dos anos 1970 e 1980 encontrou em seus escritos material para a busca da própria identidade.

Nas obras da escritora, as mulheres estão sempre no centro das atenções: mulheres que se sentem estranhas, não ajustadas num mundo masculino. As personagens literárias de Christa T. são mulheres míticas como Cassandra ou Medeia.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo