Entretenimento

Maior feira de arte contemporânea dos EUA, "Art Basel" faz 10 anos

AP Photo/ Lynne Sladky
Imagem da instalação do artista brasileiro Paulo Nazareth exposta na vernissage da Art Basel, em Miami (30/11/2011) Imagem: AP Photo/ Lynne Sladky

30/11/2011 19h40

MIAMI, EUA, 30 Nov 2011 - Art Basel Miami Beach, a maior feira de arte contemporânea dos Estados Unidos, filial da realizada em Basileia, Suíça, celebra 10 anos, com uma edição rica em exposições e negócios, entre quinta-feira e domingo, atraindo milionários imunes à crise, vindos de vários países.

"Para nós é muito importante estar agora na cidade, onde tudo gira em torno; além disso, o evento reúne uma clientela valiosa que não sente realmente a crise", disse à AFP Marco Berengo, diretor da Venice Projects, uma galeria italiana que receberá, nesta quinta-feira, a visita de compradores de arte, principalmente europeus.

Há 10 anos, quando a filial da principal feira de Basileia (Suiza), desembarcou em Miami Beach, a cidade rotulada de paraíso dos aposentados, sede de festas tropicais, capital do exílio cubano e ninho de traficantes de drogas, ganhou o respeito da comunidade artística por este acontecimento anual.

Estarão representadas no Centro de Convenções de Miami Beach e no Miami Design District 260 galerias da América do Norte, Europa, América Latina, Ásia e África, com exposições de trabalhos de 2.000 artistas. Os organizadores aguardam a visita de 50.000 pessoas.

"Na Art Basel Miami Beach, artistas expressam ideias e reflexões, através de uma proposta bem atual", explicou à AFP Javier Martín, criador de 14 peças plásticas, em exibição na galeria Baltus.

Embora Martín, de 26 anos, negue-se a falar do preço delas, conta que faz em seus trabalhos "uma crítica social, sobre como as coisas vão mal, de todos os ângulos da sociedade".

A peça que vem despertando mais interesse é "Escopetas de Louis Vuitton", na qual rifles são construídos com bolsas da grife, tecidos e broches, como forma de expressar a dominação do mercado das grandes marcas que definem os dogmas de uma geração.

Em torno da Art Basel Miami Beach surgem feiras paralelas, exposições de rua, em meio a limusines, carros com motoristas e salões patrocinados por marcas de luxo - Fendi, Audi, Veuve Clicquot à espera de compradores, que levam de brinde uma toalha - edição limitada da casa Sotheby's - de quase 100 dólares.

"Vem gente de todo o mundo, especialmente da Europa, e a verdade é que nossa clientela não foi afetada pela crise, e prefere comprar arte, um investimento mais seguro hoje em dia", comentou Cristina Grajales, uma colombiana radicada em Nova York e que há sete anos expõe no Miami Design District.

Segundo o jornal Miami Herald, toda a cidade se beneficia de um evento que a priori parece destinado a uma pequena elite: hotéis, restaurantes e a própria MCH Swiss Exhibition, empresa proprietária da Art Basel, que espera receber 11 milhões de dólares dos vendedores de arte, o que representaria um aumento de 4% em relação a 2010.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo