Entretenimento

Tunísia: os Amazighs querem fazer ouvir sua voz na Constituinte

France Presse

14/11/2011 17h41

Túnis, 14 Nov 2011 (AFP) -Pela primeira vez na Tunísia, os Amazighs (Berberes), reunidos em associação, desejam agir abertamente e se fazer ouvir na Assembleia Constituinte, eleita no dia 23 de outubro, como parte da revolução que tirou do poder o ex-presidente Ben Ali.

"Fomos durante muito tempo marginalizados e excluídos, agora é chegado o momento de valorizar nosso patrimônio, como componente da sociedade", informou em entrevista à AFP Jalloul Ghaki, secretário-geral da Associação tunisiana da Cultura Amazigh (ATCA).

Essa associação legal apresentará suas "reivindicações para o reconhecimento da cultura amazigh" na Assembleia Constituinte - que deve se reunir pela primeira vez no dia 22 de novembro - ante o governo em formação.

Ghaki mantém afastado todo o projeto separatista da Tunísia.

Segundo ele, embora 50% dos tunisianos arabizados sejam de origem berbere, menos de um por cento da população fala ainda o dialeto (chelha) em algumas regiões do sul e nas cidades da Ilha de Djerba.

"Não temos nenhum projeto separatista, ao contrário das acusações feitas contra nós há tempos", destaca Ghaki, um ex-prisioneiro político de esquerda.

"Mesmo se conseguirmos formar um partido, seremos contra todas as ideias separatistas; para nós, a Tunísia é indivisível - de Borj el Khadra (ponto do extremo sul) a Bizerte (extremo norte)", afirma ele.

"Não negamos a arabização do país - os árabes vieram depois dos romanos - mas somos os habitantes autênticos desta terra e temos o direito de lutar contra a marginalização", prosseguiu o homem originário de Tamezret.

A ATCA foi legalizada em 30 de julho de 2011, ou seja, 34 anos após a criação, em 1984, de um núcleo clandestino para a proteção do patrimônio Amazigh em Tamezret, aldeia de mil habitantes, no sudeste da Tunísia.

A localidade, que possui apenas 620 casas, recebeu em agosto 10.000 pessoas da Tunísia e de outros países para um festival de celebração da cultura berbere.

A associação pensa em realizar um recenseamento de Amazighs em 2012, ao mesmo tempo em que sua página no Facebook mostra centenas de admiradores "que falam ou não a língua", revela ele.

Ghaki afirma que os berberes do Marrocos, da Tunísia e da Líbia (Nalout, Yfren, Zenten, Zouara) descendem da mesma linhagem e têm um léxico em comum (45% do vocabulário), ao contrário dos berberes de Kabylie, na Argélia.

"Nosso objetivo é salvar o patrimônio, o alfabeto 'tifinaghe' e lutar contra a negação", entusiasma-se este homem, especialista em plantas medicinais.

Sua associação está implantada em Nabeul (nordeste), Gafsa (oeste), Tataouine (extremo sul), Gabes (sul), Béja e Mjaz el Bab (noroeste) e Bizerte (norte).

Ela estreou no Congresso mundial Amazigh (CMA) que realizou uma assembleia geral em outubro, em Djerba, ilha turística do sul tunisiano.

"O CMA é nosso grande sindicato com sede na França - um país que sempre apoiou os movimentos Amazighs", destacou Ghaki.

"Tudo o que peço é o reconhecimento de nossos direitos culturais", lançou a presidente do ACTA, Khadija Ben Saidane, insurgindo-se contra a "negação e a ignorância" recentemente demonstrados, segundo ela, por uma eleita do Ennahda, o partido islamita que dispõe de 89 das 217 cadeiras da assembleia que redigirá uma nova constituição para a Tunísia pós-Ben Ali.

Ben Saidane fazia referência a Souad Abderrahim que disse ignorar a existência de Amazighs na Tunísia, numa recente entrevista a uma rádio estrangeira.

Bsh/jeb/sd

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo