Entretenimento

Júri em caso de Michael Jackson inicia segundo dia de deliberações

France Presse

07/11/2011 16h51

LOS ANGELES, EUA, 7 Nov 2011 (AFP) -O júri do processo por homicídio culposo do médico de Michael Jackson, Conrad Murray, iniciou nesta segunda-feira seu segundo dia de deliberações, depois de ter discutido na sexta-feira sem chegar a um veredicto.

Os sete homens e cinco mulheres do júri voltaram a se reunir às 08H30 (14H30 de Brasília) para decidir se o médico de 58 anos é culpado ou inocente da acusação de homicídio culposo pela morte de Jackson devido a uma intoxicação de medicamentos.

O cardiologista era médico particular de Jackson e o tratava com vários sedativos, entre eles o potente anestésico propofol, para ajudá-lo a dormir, já que o cantor sofria de uma insônia crônica.

Embora alguns meios de comunicação especulassem que os membros do júri chegariam a um veredicto rapidamente, eles "têm que comprovar que houve negligência criminosa, e não apenas 'mala praxis'", razão pela qual poderiam absolvê-lo com base em uma "dúvida razoável", afirmou o analista legal Richad Herman à CNN.

Espera-se que este painel leia publicamente sua resolução duas horas depois de notificar a corte de que chegou a uma decisão, para que haja tempo para que as famílias das duas partes - e a imprensa - cheguem ao edifício no centro de Los Angeles.

Na manhã de 25 de junho de 2009, Murray administrou propofol no músico após outros sedativos não terem surtido efeito durante a noite. Em seguida, o médico deixou a casa do artista e, ao retornar, o teria encontrado já sem vida.

O promotor David Walgren disse em seu discurso final que a negligência do médico, que teria agido estimulado somente pelo salário de 150.000 dólares, privou aos filhos de Jackson de um pai e o mundo de "um gênio".

Walgren, resumindo o que classificou como uma "esmagadora" evidência contra Murray, disse que o médico inventou elaboradas mentiras para esconder sua culpa na morte de Jackson em sua mansão em Los Angeles.

A defesa do médico, no entanto, argumentou que o autor de "Thriller" era um viciado desesperado que causou sua própria morte ao tomar mais medicamentos enquanto Murray estava fora.

O advogado de Murray, Ed Chernoff, insistiu nesse assunto durante seu discurso final, mas também questionou a integridade dos testemunhos da acusação, sugerindo que os colaboradores do ícone do pop armaram sua versão para obter dinheiro por parte dos veículos ávidos por notícias.

O médico enfrenta uma pena máxima de quatro anos de prisão e a perda definitiva de sua licença médica caso seja declarado culpado.

ma/wm

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo