Entretenimento

O Islã brilha em todo o esplendor no Museu Metropolitano de Nova York

24/10/2011 17h31

NOVA YORK, EUA, 24 Out 2011 (AFP) -Mil e duzentos objetos de arte com 13 séculos de história estarão sendo exibidos em novas galerias dedicadas às "Terras Árabes" a partir da próxima semana, no Museu Metropolitano de Nova York.

Turquia, Irã, Ásia Central, norte da África, Espanha, o subcontinente asiático: 15 galerias divididas por zonas geográficas demonstram que "cada região e cultura expressam com força sua individualidade artística durante o período islâmico, apesar de estarem unidas por uma herança compartilhada".

Os objetos exibidos foram selecionados entre os 12.000 que fazem parte da coleção do museu e evocam a excelência da cultura islâmica em diferentes áreas: em ciência, por exemplo, através de um astrolábio do século XIII; em arquitetura, com delicadas janelas de madeira com pequenas perfurações simétricas da Índia; em escultura, com belas figuras de estuque de 1,5 metro de altura do século XI, procedentes do Irã.

Em literatura e religão, podem ser vistos antigos exemplares do Alcorão manuscritos, com belíssimas caligrafias e livros sufitas do século XV procedentes do Irã.

Também há espadas ceremoniais com punho de marfim e incrustações de ouro, rubis e prata, tapetes de até dez metros de comprimento, com desenhos geométricos como o célebre "Simonetti" tecido a mão no século XVI e um colar nupcial também de ouro, procedente da Índia.

"Essas galerias ajudam numa compreensão melhor da complexidade e da interconexão entre as diferentes culturas com a arte islâmica", disse à AFP a curadora do Metropolitan Museum of Art, Mechthild Baumeister, presente na pré-abertura desta segunda-feira, para a imprensa.

Uma das joias das novas galerias - cuja renovação levou oito anos, com um custo de 50 milhões de dólares - é a sala de recepção de uma grande residência de Damasco do século XVIII, montada tal qual estava originalmente na capital síria.

A sala, de piso de mármore com figuras geométricas e tapetes vermelhos, tem as paredes e o teto revestidos de madeira com painéis contendo inscrições do Alcorão, arabescos e outras figuras.

Um pátio marroquino recriado no setor dedicado à "Espanha, ao Norte da África e ao Mediterrâneo Ocidental" é outra das maravilhas da exposição, com as pessoas tento a sensação de estarem no próprio Alhambra, o célebre palácio levantado pelos sultões em Granada.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo