Topo

Entretenimento

Paris se transforma em capital do desenho internacional

13/09/2011 14h35

PARIS, França, 12 Set 2011 (AFP) -Decoração com materiais naturais, desenhos futuristas, em cores fluorescentes: Paris converteu-se, nesta semana, na capital do desenho mundial, revelando novas tendências, ainda marcadas pela reciclagem.

Com uma centena de atividades em seis pontos da capital, destinadas ao público e com uma gigantesca feira profissional batizada Maison et Objet (Casa e Objeto), com as apresentação de peças de milhares de profissionais, a primeira semana parisiense do desenho (12-18 de setembro) está sendo vista, também, como uma grande festa e celebração da arte contemporânea.

Murais elaborados com plantas e flores, móveis insólitos, trabalhados com raízes ou madeira, sofisticadas lâmpadas elaboradas com materiais reciclados, como sacos de lixo: Paris confronta o luxo absoluto com a exasperação ante o desperdício.

Segundo Vincent Grégoire, da empresa Nelly Rodi, que estuda as novas tendências da moda e do design, embora muitos consumidores "prossigam interessados em objetos ecológicos", fabricados com "materiais naturais", há também muitos que se dizem "fartos" disso.

"Querem objetos futuristas, produtos novos, excitantes", explica Grégoire, para quem o contexto econômico difícil pesa sobre consumidores incertos em relação ao futuro.

Mas, talvez por isso mesmo, os expositores querem levantar os ânimos, e se aventuram com cores excitantes, como o azul elétrico, o rosa quente, o verde-limão, além de tons de laranjas e amarelos fluorescentes.

Embora predomine na decoração de interiores o branco e o preto - elegância suprema -, os tons cinzentos e as cores neutras podem ser comprovadas ao visitar o imenso Salão Casa e Objeto, em Villepinte, na periferia de Paris.

Esta grande feira internacional está destinada, a princípio, exclusivamente, aos profissionais do setor. Mas a semana parisiense do desenho - semelhante à que se celebra em Milão, Tóquio, Berlim e Londres - pretende ser "manifestação popular", dirigida ao grande público.

Estão presentes expoentes internacionais, como Baccarat, Cinna, Cappelini, Blanc + Blum, Poltrona Frau.

Há também espaço para artistas menos famosos, que expõem em galerias de arte e em salas do Marais, ou nos Champs Elysées e em Saint-Germain-des-Près, onde até restaurantes e pastelarias mostram novos 'décors'.

Um estilista independente, Adrien de Melo, de 32 anos - tem no currículo a decoração do espaço cultural Luis Vuitton -, propõe na galeria BSL do Marais seis peças de mobiliário em ônix, madeira rara e aço.

O interesse pela arte do reciclado chega ao auge com Anne Lisle Amilil-Bouché e Alice Macé, premiadas no concurso Jovens Criadores organizado pelas Oficinas de Arte da França, com produtos de seu trabalho de "construção-reconstrução".

A tendência prossegue forte no design contemporâneo, com ebanistas que constroem móveis a partir de velhas janelas, como Damien Hamon, que "gosta de ouvir as histórias contadas desses antigos objetos, para criar uma nova peça", e Elise Fouin, que recupera jornais velhos para as suas criações.

"Não é que eu seja uma militante da ecologia, é mais o encontro com a matéria e a lógica da recuperação, da reciclagem, o que me interessa", disse Elise.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento