Topo

Entretenimento

Turquia bane livros de William Burroughs e Chuck Palahaniuk

AFP PHOTO/BULENT KILIC
Mulher segura livro do autor americano Chuck Palahaniuk, um dos censurados pelo governo da Turquia Imagem: AFP PHOTO/BULENT KILIC

30/08/2011 14h58

ISTAMBUL, Turquia, 30 Ago 2011 (AFP) - Eles são médicos, especialistas em economia agrária, líderes religiosos e há até um psicólogo, unidos por uma missão: a luta contra a obscenidade na arte.

O Comitê de proteção aos menores contra publicações nocivas reúne dez honoráveis cidadãos turcos e é convocado pelo ministério público cada vez que surge uma suspeita sobre uma obra literária. O grupo persegue, também, a imoralidade na imprensa turca.

Entre os escritores mais recentes que tiveram um romance declarado obsceno e sem mérito literário pelo comitê estão os americanos Chuck Palahniuk, autor de "Fight Club", e William Burroughs, um integrante da Beat Generation.

Burroughs é um escritor americano de prosa experimental e ligada a experiências com as drogas e as viagens, identificado geralmente pela literatura underground, além de considerado padrinho e guru da geração punk dos anos posteriores.  Era membro rebelde de uma família ligada à indústria de máquinas calculadoras.

Um dos livros de Chuck Palahniuk fala sobre um homem solitário que conhece um tipo carismático e anarquista com quem funda um estranho clube clandestino. O romance "Fight Club", Clube da Luta, publicado em 1996, converteu-se logo em 'cult', tendo sido adaptado para o cinema, em 1999, por David Fincher (Clube da Luta; Seven - Os Sete Crimes Capitais e o Curioso Caso de Benjamin Button)

Mês passado, o comitê, ligado à assessoria do primeiro-ministro turco, obrigou uma nova revista de caricaturas, Harakiri, a fechar as portas, com o pagamento de multa por obscenidade.

A instituição justificou a decisão alegando que a revista "encorajava as relações fora do casamento", assim como "a preguiça e o aventureirismo", relatou a imprensa.

"Uma revista de caricaturas não encoraja senão uma coisa: a leitura", replicou o cartunista K. Perker, fundador do semanário, e hoje morador de Nova York, onde publica suas criações no New York Times e no Wall Street Journal.

O comitê também pode, até, ordenar a venda de periódicos "obscenos" desde que estejam embalados em plástico preto.

"São tentativas para dissuadir os editores. É um ataque a nossa liberdade de expressão", comenta o editor Irfan Sanci em relação à censura a William Burroughs.

O comitê concluiu que o romance de Burroughs "não tem valor literário (...) devido a uma falta de integridade de conteúdo", "não tendo utilidade para o mundo intelectual".

"Esta comissão não é qualificada para tomar decisões relacionadas à literatura", julga Sanci, que recebeu, em 2010, o Prêmio Liberdade, da Associação Internacional de Editores.

"Claro que existem publicações que podem afetar negativamente a infância. O comitê deve vigiar isso, mas (...) não há nenhum pedagogo ou escritor de livros para crianças na instituição", estima o presidente da União dos Editores da Turquia, Metin Celal Zeynioglu.

A maior parte desses membros vêm de diferentes ministérios, compreendendo Saúde, Justiça, Cultura e Educação, aao lado de um imã nomeado pela Direção de Assuntos religiosos, de um universitário e um jornalista.

Ouvido pela AFP, seu presidente, Ruhi ?zbilgiç, um técnico em economia agrária, recusou-se a falar sobre o assunto.

Para Irfan Sanci, a ação do comitê não está ligada à ascensão ao poder, em 2002, do Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP), saído do movimento islamita.

"O comitê foi criado em 1927. É ligado à filosofia fundadora da República, comenta o editor, que foi censurado pela publicação de dez livros, em 20 anos.

"Fui perseguido por um livro da escritora francesa Jeanne Cordelier antes da chegada do AKP", diz ele. O romance, "La Dérobade", A escapada, é um depoimento sobre a prostituição, e chegou a ser vendido por uns tempos envolto em plástico preto, na década de 1990. Para Zeynioglu, no entanto, a natureza das publicações censuradas evolui de acordo com o clima político.

"No passado, as pessoas eram perseguidas porque faziam propaganda religiosa. Mais tarde, processos foram abertos por insulto aos valores religiosos", observou.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento