Entretenimento

Após distúrbios, governo britânico reúne representantes de redes sociais

25/08/2011 17h33

LONDRES, 25 Ago 2011 (AFP) -O governo britânico reuniu esta quinta-feira representantes de Facebook, Twitter e Blackberry para examinar o papel das redes sociais nos violentos distúrbios que eclodiram em várias cidades da Inglaterra entre 6 e 10 de agosto.

As discussões, presididas pela ministra do Interior, Theresa May, "trataram a forma como o sistema judicial e as redes sociais podem consolidar as relações existentes (...) para evitar que as redes sociais sejam utilizadas com fins criminosos", declarou uma porta-voz do ministério.

"O governo não pediu poderes suplementares para bloquear as redes sociais", disse ao fim da reunião.

Em 11 de agosto, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, mencionou a possibilidade de restringir o uso das redes sociais. Ele anunciou que "trabalhava com a polícia, com os serviços de inteligência e com a indústria para ver se seria razoável impedir que as pessoas se comunicassem através destas páginas e serviços, quando sabemos que se preparam para cometer atos de violência, delitos ou semear a desordem".

Mas o governo parece se concentrar, agora, na forma de melhorar a vigilância das mensagens e a localização dos agitadores.

"Trabalhamos com a polícia para ver como impedir o acesso a estes serviços por clientes identificados como autores de distúrbios e delitos", explicou o ministério do Interior, antes da reunião.

Entrevistado pela AFP em San Francisco (EUA), o Facebook informou que "tomou medidas para assegurar que o Facebook é uma plataforma segura" no Reino Unido "nestes tempos difíceis" e ter se "assegurado de que qualquer ameaça de violência plausível seja retirada".

Uma porta-voz britânica da empresa canadense Research in Motion (RIM), fabricante dos 'smartphones' BlackBerry, recusou-se a comentar a reunião. Mas no começo do mês, o diretor geral de vendas da BlackBerry, Patrick Spence, se comprometeu "perante autoridades (britânicas) a ajudá-las na medida do possível", sem dar maiores detalhes.

Muitas pessoas são suspeitas de terem usado Facebook, Twitter e o serviço de mensagens instantâneas BlackBerry Messenger (BBM), que envia mensagens codificadas, para incitar à violência e coordenar ataques e saques durante os distúrbios.

Dois internautas na casa dos 20 anos foram condenados na semana passada a quatro anos de prisão por terem incitado no Facebook atos de violência que não chegaram a se concretizar.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo