Entretenimento

Refúgio literário de Borges, cafeteria Richmond é fechada em Buenos Aires

Juan Mabromata / AFP
Fachada da cafeteria Richmond, em Buenos Aires (12/08/2011) Imagem: Juan Mabromata / AFP

17/08/2011 14h44

BUENOS AIRES, Argentina, 17 Ago 2011 (AFP) - As cadeiras elegantes de estilo inglês da cafeteria Richmond de Buenos Aires foram usadas por intelectuales, artistas e escritores argentinos, entre eles Jorge Luis Borges, mas agora, o histórico recinto está vazio, sem o ruído de vozes que se tornaram tão famosas, sem vida.

A legendária 'confitería', como era chamada na Argentina, localizada na rua Florida, bem no centro da capital, fechou as portas num piscar de olhos, para dar lugar a uma loja de roupas desportivas de uma companhia americana.

Em 1920 e nos anos subsequentes, o poeta e ensaísta Borges, então com 25 anos, reunia-se aí com os demais escritores de sua geração, o grupo literário da Richmond, num verdadeiro ritual diário, a partir das sete horas da noite.

De pé, junto às mesas, cantavam a ária 'La donna è mobile' da ópera Rigoletto de Giuseppe Verdi, substituindo a letra original por um hino próprio.

  • JuaN Mabromata/AFP

    Funcionários da cafeteria Richmond protestam lado de fora do local (16/8/2011)

"Un automóvile, dos automóviles, tres automóviles, cuatro automóviles. Cinco automóviles, seis automóviles, siete automóviles, um autobus!", entoavam rindo.

Anos mais tarde, em seu romance Rayuela, o escritor argentino Julio Cortázar pôs um de seus célebres personagens 'cronopios', tomando café na tradicional confeitaria.

Os cronópios, segundo Cortázar, são criaturas verdes e úmidas, distraídas, e sua força é a poesia. Eles cantam como as cigarras, indiferentes ao cotidiano, esquecem tudo, são atropelados, choram, perdem o que trazem nos bolsos e, quando saem em viagem, perdem o trem, chove a cântaros, levam coisas que não lhes servem.

Incluída entre os 54 cafés notáveis de Buenos Aires, com valor patrimonial próprio, a Richmond foi ocupada na terça-feira por seus empregados, a maioria com mais de 30 anos de trabalho.

Os donos fecharam as portas de vidro com correntes e cadeados, levando de madrugada todos os móveis.

"Trabalho aqui há 40 anos e estou numa situação de desespero. Levaram tudo. Deixamos a Richmond na noite de sábado e na manhã de domingo estava fechada", lamentou o maître Luis Ángel.

Não houve nenhum aviso de fechamento aos demais 13 empregados.

--- Uma história viva no centro de Buenos Aires --- "Este local é cheio de tradições e costumes. Foi frequentado por Borges, Leopoldo Marechal, Leopoldo Lugones, há muita história em suas mesas, além de ser um lugar de encontro dos portenhos", disse pesarosa, à AFP, Mónica Capurro, secretária geral da Comissão de Preservação do Patrimônio.

Capurro foi uma das incentivadoras de um abraço simbólico à cafeteria realizado na semana passada com o lema "Não ao fechamento da Richmond", mas nada conseguiu.

O parlamento a declarou patrimônio histórico, obrigando a ser preservada a fachada e o edifício em geral, mas não conservar suas funções.

"A Richmond era meu refúgio em pleno centro de Buenos Aires. Era um lugar mágico; fazia-nos ingressar num filme do passado", disse à AFP Hebe Piano, de 55 anos.

  • JuaN Mabromata/AFP

    Interior da cafeteria Richmond nos últimos dias de funcionamento, em Buenos Aires (12/8/2011

O salão senhorial foi inaugurado em 1917, tendo sido projetado pelo arquiteto belga Jules Dormal, criador do também célebre Teatro Colón de Buenos Aires.

Os donos esvaziaram a casa. Não encontramos mais as grandes cadeiras estilo Chesterfield, as mesas de mármore, os bilhares e as mesas de xadrez do subsolo: tudo desapareceu na madrugada de domingo em vários caminhões de mudança, contou o vigia de um prédio vizinho.

E assim acaba uma tradição numa das mais comerciais e turísticas ruas da capital, que soube cativar também escritores e intelectuais como Oliverio Girondo, Conrado Nalé Roxlo, Horacio Quiroga, Eduardo Mallea e Raúl Scalabrini Ortiz.

Integrantes da revista cultural Martín Fierro (1924-27), entre eles Borges, também eram conhecidos como Grupo Florida, porque a redação funcionava num escritório nessa mesma rua, a 150 metros da céelebre casa.

O Grupo Florida, com o olhar voltado para a Europa, manteve uma histórica polêmica sobre arte e literatura com o chamado Grupo Boedo, que se reunia no bairro homônimo, e mais identificado com a realidade social argentina e as lutas operárias.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo