Entretenimento

Edição centenária do Festival de Bayreuth estreia com muita polêmica

25/07/2011 15h12

BAYREUTH, Alemanha, 25 Jul 2011 (AFP) -A 100ª edição do Festival de Bayreuth, consagrada à obra de Richard Wagner, abriu nesta segunda-feira com a ópera "Tannh?user", em meio à controvérsia causada pela intenção de uma orquestra israelense de interpretar o compositor preferido dos nazistas.

Anualmente, a elite da política, da economia e do mundo do espetáculo se reúne para a abertura, no "palácio do festival", o Festspielhaus, construído em 1876 na "Colina Verde" que domina esta cidade do sul da Alemanha.

A chanceler Angela Merkel estava presente na abertura, ao lado de seu ministro das Relações Exteriores, Guido Westerwelle.

Embora os olhares estivessem dirigidos à encenação de Tannh?user, ópera romântica, considerada a obra da juventude mais importante de Wagner, também havia muita expectativa, criada por outro concerto.

Na terça-feira, ao meio-dia, hora local, em outra sala de Bayreuth, a Orquestra de Câmara de Israel (OCI) concluirá um recital interpretando "Siegfried-Idyll", O Idílio de Siegfrid", de Wagner.

Ora, Richard Wagner (1813-1883) era um antissemita declarado, muito apreciado pelo regime nazista.

Sua obra é considerada praticamente tabu, em Israel. Em julho de 2001, o maestro judeu argentino, Daniel Barenboim, dirigiu em Jerusalém a Orquestra Filarmônica de Berlim, que interpretou um fragmento de "Tristão e Isolda".

Barenboim havia dito que os que não quisessem ouvir poderiam sair e 30 ou 40 pessoas deixaram a sala de espetáculo, alguns gritando ou insultando. Os que ficaram, acabaram aplaudindo de pé.

Dez anos depois, a polêmica segue presente em Israel e até o ministro da Cultura precisou intervir para que as subvenções à Orquestra de Câmara de Israel não fossem suspensas.

Nesta segunda-feira, um comunicado da associação de sobreviventes do Holocausto e familiares qualificava a decisão da orquestra de interpretar música de Wagner, em Bayreuth, de "ruptura vergonhosa da solidaridade para com as pessoas que sofreram os horrores" nazistas.

No entanto, a cidade de Bayreuth tenta, através desta e de outras iniciativas, como o projeto de criação de um centro cultural judeu, tirar lições do passado.

Katharina Wagner, uma das diretoras do Festival, que patrocinou a vinda da Orquestra a Bayreuth, prometeu abrir os arquivos familiares para que os vínculos entre os Wagner e o nacional-socialismo possam ser analisados de maneira transparente.

O festival terá 30 reapresentações selecionadas das dez principais óperas de Richard Wagner até o dia 28 de agosto, neste templo de 1.974 lugares construído pelo compositor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo