Entretenimento

Bob Dylan se apresenta na China e abre as portas para outros artistas

04/04/2011 11h08

XANGAI, 4 Abr 2011 (AFP) -Os primeiros shows de Bob Dylan na China, na quarta-feira e Pequim e dois dias depois em Xangai, demonstram que os tempos estão mudando e as produtoras de espetáculos batem à porta do gigante asiático para outras apresentações de estrelas internacionais.

Os shows de Dylan constituem o maior acontecimento musical na China desde a passagem dos Rolling Stones em 2006 por Pequim e Xangai.

Bob Dylan, que teve apresentações canceladas ano passado, ao que parece por um veto do ministério da Cultura, se apresentará em uma turnê organizada pela empresa americana Live Nation. A também americana AEG é outra produtora que busca marcar presença na China.

A AEG administra, com sócios, duas salas de espetáculos de 18.000 lugares, em Pequim e Xangai. Em março a empresa levou os veteranos dos Eagles à China.

"Os grandes grupos estão muito interessados. Não é um mercado onde poderão gerar muito faturamento com álbuns, mas podem obter dinheiro com os shows, o que é crucial para os artistas", disse Craig Hartenstine, um dos vice-presidentes da AEG.

Apesar das previsões otimistas após os shows dos Rolling Stones, a China não conseguiu impor-se no mapa das grandes turnês mundiais. Jacarta (Indonésia)recebe mais estrelas do rock que Pequim ou Xangai.

Em fevereiro, Janet Jackson, Eric Clapton e Taylor Swift se apresentaram em Hong Kong e nos países vizinhos, mas não viajaram à China continental.

A principal dificuldade é a difícil relação entre o regime comunista e o rock, que tem uma cultura de sexo e protesto política.

O ministério da Cultura impediu os Stones de cantar canções como "Brown Sugar", considerada de teor forte, em 2006.

O Oasis teve que cancelar apresentações na China em 2009 depois que as autoridades proibiram a viagem do grupo britânica em função do fato do guitarrista Noel Gallagher ter participado de um festival em apoio ao Tibete em 1997.

A cantora islandesa Bj¶rk causou irritação do governo ao gritar "Tibete" em um show em Xangai em 2008.

Mas os pedidos passaram a ser mais aceitos nos últimos anos. A canadense Avril Lavigne cantou no país em 2008 e já tem apresentações agendadas para o fim de abril.

O maior problema agora é financeiro, segundo Steve Sybesma, sócio em Xangai da produtora Ato Ato, que já levou para a China artistas como Norah Jones e o Black Eyed Peas.

"A primeira dúvida para um artista que se apresenta em qualquer lugar é se pode vender ingressos em quantidade suficiente", afirma Sybesma.

O rock internacional continua sendo um nicho no mercado de 1,3 bilhão de pessoas dominado pelas canções pop em chinês. A pirataria e o download afetaram seriamente as vendas de música.

"Como a maior parte do faturamento vem dos shows, a maioria dos artistas não está disposta a reduzir o preço dos ingressos, exceto aqueles que consideram a China a futura mina de ouro", explica Archie Hamilton, diretor executivo da produtora Split Works.

"Estou na China há oito anos e acredito neste mercado. Só é preciso ter paciência", afirma Sybesma.

E, de fato, nesta segunda-feira ainda era possível comprar ingressos para os shows de Bob Dylan tanto em Xangai como em Pequim.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Entretenimento

Topo