Topo

Entretenimento


Jornalista do 'Estadão' é libertado na Líbia

10/03/2011 17h40

LONDRES, 10 Mar 2011 (AFP) -O jornalista Andrei Netto foi libertado nesta quinta-feira depois de oito dias detido em uma prisão líbia, informou o jornal O Estado de S. Paulo, para o qual o repórter trabalha.

"O repórter Andrei Netto, enviado especial do 'Estado' na Líbia, foi libertado nesta quinta-feira", informou o jornal em seu site.

Netto, 34 anos, "ficou preso durante oito dias na cidade de Sabratha, a 60 km da capital, depois de ter sido capturado pelas tropas leais" ao líder líbio Muamar Kadhafi, afirmou o jornal.

A publicação também divulgou que o jornalista, correspondente em Paris e enviado especial à Líbia, está "bem de saúde" e se encontra agora na casa do embaixador, George Ney Fernandes, em Trípoli e prevê sair do país na sexta-feira.

A presidente Dilma Rousseff tinha pedido na quinta-feira sua "urgente" libertação, depois de ser divulgada a notícia de que o jornalista tinha perdido contato direto com o correspondente havia uma semana.

O jornal britânico The Guardian informou nesta quinta-feira em seu site que oficiais do governo líbio confirmaram a detenção de seu correspondente Ghait Abdul Ahad, que viajava com o brasileiro e tinha sido considerado desaparecido havia dias.

Uma fonte de Trípoli tinha informado à AFP nesta quinta-feira que o jornalista do Guardian tinha sido detido por ter entrado "ilegalmente no país".

Ghait Abdul Ahad é um experiente jornalista de nacionalidade iraquiana que trabalha para o Guardian desde 2004 na Somália, Sudão, Iraque e Afeganistão, e estava há duas semanas cobrindo a rebelião no oeste da Líbia.

Seu último contato com o jornal, estabelecido através de uma terceira pessoa, aconteceu no domingo, quando se encontrava em Zawiya, cidade do oeste de Trípoli e cenário nos últimos dias de violentos combates entre os insurgentes e as forças leais a Muamar Kadhafi.

Na noite de quarta-feira, o canal britânico BBC anunciou que três de seus jornalistas foram detidos e agredidos na Líbia quando trabalhavam em campo, sendo submetidos a uma simulação de execução.

O jornalista árabe Feras Killani e seus colegas, o britânico Chris Cobb-Smith e o turco Goktay Koraltan, foram presos na segunda-feira e levados para barracões onde "sofreram repetidas agressões".

Os três jornalistas foram detidos em um posto de controle 10 km ao sul da cidade de Zawiya, 40 km a oeste de Trípoli, palco de violentos combates entre rebeldes e forças leais ao regime do coronel Muammar Khadafi.

A alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Navi Pillay, informou nesta quinta-feira que os atos de violência sofridos pelos três jornalistas da BBC na Líbia "podem ser atos de tortura".

"O fato de que tenham sido considerados alvo, detidos e tratados com uma crueldade que pode ser considerada tortura é totalmente inaceitável e constitui uma violação grave do direito internacional", declarou Pillay, citada em um comunicado.

"Se uma equipe de televisão internacional pode ser vítima deste tipo de maus-tratos, me preocupa acima de tudo o tipo de maus-tratos que podem sofrer os opositores do regime líbio que caírem em mãos dos serviços de segurança", destacou.

Newsletters

Receba por email as principais notícias do UOL sem pagar nada.

Quero receber

Mais Entretenimento