Topo

Entretenimento

Após a revolta política, movimentos sociais se multiplicam no Egito

14/02/2011 15h41

CAIRO, 14 Fev 2011 (AFP) -Após a revolta política, os movimentos sociais passaram a se multiplicar no Egito, levando o exército, que detém o poder desde a queda do presidente Hosni Mubarak, a pedir nesta segunda-feira a interrupção de greves para que a recuperação econômica não seja prejudicada.

Greves e manifestações ocorreram nos setores de transporte, bancário, de petróleo, têxtil e até nas mídias oficiais e certos organismos governamentais. Os grevistas pedem aumento de salários e melhores condições de trabalho, segundo fontes sindicais e associativas.

O conselho supremo das Forças Armadas declarou em comunicado transmitido pela televisão estatal que "os honrosos egípcios viam os protestos atuais num momento delicado" podendo trazer "consequências negativas" para o país.

A Bolsa do Cairo, fechada há mais de duas semanas, informou que não retomaria por enquanto suas atividades, em razão das perturbações no setor bancário.

Aos pés da esfinge e das famosas pirâmides de Gizé, centenas de guias turísticos egípcios, em desemprego técnico por falta de clientes, organizaram um encontro para pedir a volta dos visitantes.

"Reviens, komm wieder, come back, vuelve!" (Voltem): diziam os guias nas principais línguas dos turistas para que eles voltassem a visitar o Egito.

No plano político, os internautas, que começaram a revolta que provocou a renúncia na sexta-feira passada do presidente egípcio Hosni Mubarak, encontraram-se com o exército para discutir reformas democráticas prometidas, após a dissolução do Parlamento e a suspensão da Constituição.

Segundo eles, os militares têm a intenção de propor emendas à Carta Magna do país nos próximos dez dias e submeter essas mudanças a um referendo em dois meses.

O conselho supremo das Forças Armadas informou no domingo que assumia "a direção dos assuntos do país provisoriamente por seis meses ou até o fim de eleições legislativas e presidenciais", mantendo assim, para a gestão dos assuntos em curso, o governo formado por Mubarak no dia 31 de janeiro.

"O exército afirmou que não pretendia governar o Egito e que o futuro do Egito reside em um poder civil", afirmaram dois ciberativistas; Wael Ghonim, jovem cientista de computação da gigante americana Google que virou ícone do levante, e o blogueiro Amr Salama.

A imprensa egípcia por sua vez continuou a publicar histórias sobre os últimos dias de Mubarak.

O ex-presidente foi apresentado como um homem imerso na confusão criada por um ministro do Interior que escondia a verdadeira dimensão das manifestações e por seu filho Gamal, suposto sucessor, que o pressionava a adotar uma atitude mais dura.

Nesta segunda-feira, os carros voltaram a circular pela Praça Tahrir, epicentro da revolta no Cairo. Apenas um pequeno grupo de militantes ainda estava mobilizado, cercado por um cordão de militares.

A praça, no entanto, continuava a mostrar imensos retratados dos "mártires" da revolta popular. Ao longo do levante, ao menos 300 pessoas foram mortas, segundo um balanço não confirmado da ONU.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento