Entretenimento

Finlândia leva a sério a trégua de Natal

21/12/2010 19h23

TURKU, Finlândia, 21 dez 2010 (AFP) -Jouku Lehmusto desenrola solenemente o pergaminho caligrafado portando a Declaração de Paz de Natal: segundo um direito conferido desde a Idade Média aos suseranos finlandeses, ele anuncia a trégua de Natal e promete terríveis punições aos arruaceiros.

A cada ano, após os sinos da catedral de Turku tocarem meio-dia em 24 de dezembro, a fanfarra começa e o chefe da administração municipal surge na varanda acima da praça do mercado velho para ler a Declaração.

"Amanhã, se Deus quiser, será o dia da graciosa celebração do nascimento de Nosso Senhor...", começa invariavelmente.

A cerimônia é transmitida pela televisão e pela rádio nacionais. Para muitas famílias, começam assim, oficialmente, as festividades.

A Declaração não tem nada a ver com os votos calorosos habituais da época. Pelo contrário, o texto encoraja os cidadãos a manterem a calma e o respeito de Natal. Se não...

"Aquele que romper com esta trégua e violar a paz do Natal por qualquer comportamento ilegal ou inapropriado será declarado culpado por circunstâncias agravantes e punido", advertiu Lehmusto ao ler o pergaminho iluminado, reprodução da Declaração original com mais de cinquenta anos.

"Sabemos que uma versão deste texto datando de 1600 era bem mais longa, detalhada e com punições bem mais severas", explicou à AFP.

A Declaração chegou à Finlândia ao mesmo tempo em que a fé cristã, no século XII, mas ela sempre foi uma prerrogativa do governo local, não da Igreja.

"O suserano dava sua garantia de que a guerra e a violência cessariam para o Natal (...) Qualquer trabalho era proibido, a menos que fosse absolutamente necessário, como a alimentação do gado", explicou à AFP uma historiadora de Turku, Tarja-Tuulikki Laaksonen.

Era proibido até ter convidados sem a autorização expressa do senhor feudal.

Segundo Laaksonen, a multa por violar a trégua de Natal era tão alta que o condenado poderia ficar endividado pelo resto de sua vida.

E as penas por infringir a Declaração figuraram no corpo legislativo finlandês até os anos 1970.

Hoje, as "punições" são temidas mais por uma questão das promessas do texto. As palavras que encorajam "devoção e o comportamento calmo e pacífico" fazem parte da tradição de Natal finlandesa tanto quanto as canções natalinas como "Noite Feliz".

"É um evento muito importante para inúmeras pessoas. Mesmo se o tempo estiver ruim, sempre haverá 10 mil pessoas na praça para escutar a leitura", afirmou Lehmusto.

E mesmo que outras cidades na Finlândia celebrem a Paz de Natal, os historiadores consideram que é em Turku, e nenhum outro lugar do mundo, que esta tradição medieval melhor se preservou. Desde a Idade Média, a Declaração foi lida nesta cidade do sul do país cada ano sem interrupção, com a exceção das duas Guerras Mundiais e da Guerra de Independência finlandesa em 1917.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo