Topo

Coluna

Chico Barney

Huck e Oprah indicam: a política é a próxima fronteira do entretenimento

Reprodução/TV Globo
Luciano Huck fala sobre sua participação na política no "Domingão do Faustão" Imagem: Reprodução/TV Globo
Chico Barney

Chico Barney

Entusiasta e divulgador da cultura muito popular. Escreve sobre os intrigantes fenômenos da TV e da internet desde 2002.

09/01/2018 13h28

Na oportunidade da eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos e João Dória como prefeito de São Paulo, escrevi o seguinte:

“Está cada vez mais difícil aproveitar de maneira satisfatória o desenrolar de uma história acompanhando séries ou filmes. Existem narrativas inteiras sendo gestadas a partir única e exclusivamente da expectativa. É sempre sobre o que está por vir.

E isso criou uma geração de fãs ansiosos e infelizes, sempre no aguardo do que vai ou não acontecer. Por isso, ficam discutindo durante meses a fio sobre cenas dos pós-créditos, fofocas de bastidores e fotos de sets. E não é difícil ver threads gigantescas sobre cenas que eventualmente acabam cortadas na edição final.

Essa mistura de fascínio por spoilers com uma irresistível especulação criativa por parte dos fãs acabou deixando o mercado do cinema e das séries um pouco mais idiota. Os próximos anos serão muito mais divertidos para quem acompanhar o desenrolar da política brasileira e mundial. O mundo vai explodir feito pipoca, amigos.

E o espectador definitivamente faz parte da história, pois decide quem serão os protagonistas e sofre diretamente as consequências de cada plot. A segunda tela da política possui fãs mais engajados, perturbados e divertidos que qualquer novela ou reality show.

Não obstante, trata-se de um formato à prova de spoilers. Por mais que acabe vazando um documento ali e certos contratos acolá, nunca sabemos realmente do que acontece nesses bastidores. Estamos lidando com profissionais, afinal de contas. Se a surpresa é o melhor trampolim para o encantamento do showbiz, nada melhor do que viver tomando sustos nessa montanha-russa geopolítica cuja queda vem ficando ainda mais íngreme depois da próxima curva.”

Apesar de famosos, Trump e Dória são celebridades menores em seus ecossistemas. A entrada de Oprah  Winfrey na corrida presidencial americana de 2020 e o inevitável lançamento de Luciano Huck como candidato a chefe máximo deste país certamente elevam o jogo a outro patamar.

O último domingo foi fundamental para ambos. Luciano Huck e Angélica foram formalmente apresentados como cidadãos políticos ao povo brasileiro em um longo e carinhoso quadro no Domingão do Faustão. E Oprah foi agraciada com um prêmio no Globo de Ouro, onde teve pleno espaço para brilhar como porta-voz do movimento “Time’s Up”, e ainda trouxe a discussão sobre assédio para um campo mais abrangente e próximo que os bastidores de Hollywood.

Tanto Huck quanto Oprah fizeram fama e fortuna contando histórias de gente triste como ponte para demonstrar como são solidários. Personalidades desse quilate concorrendo a cargos públicos pode ser muito interessante. Como vivem de relações públicas, têm muito a perder caso cometam vacilos excessivos. Mas é importante lembrar que estamos em um campo à prova de spoilers. Vamos ver o que vem por aí.

Voltamos a qualquer momento com novas informações.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!