Coluna

Chico Barney

Música nova de Simone & Simaria com Alok é ruim, mas logo acostuma

Reprodução/Instagram/simaria
Simone e Simaria Imagem: Reprodução/Instagram/simaria
Reprodução
Chico Barney

Chico Barney

Entusiasta e divulgador da cultura muito popular. Escreve sobre os intrigantes fenômenos da TV e da internet desde 2002.

05/01/2018 14h04

A rapaziada que curte sertanejo não perde a oportunidade de curtir uma festinha. E uma boa balada, mesmo que sertaneja, não se priva do direito de tocar também música eletrônica. Mas a ganância dos burocratas capitalistas continua a ser o principal motor da cultura universal. Quem oferecia um sertanejo mais moderno, por vezes conhecido como sertanejo universitário ou ainda o famigerado “feminejo”, precisou ampliar sua área de atuação para encurralar a concorrência.

Na gentrificação da música popular brasileira, o artista é um pouco parecido com a Disney. No intuito de diversificar seus negócios e conquistar novas fontes de renda, todo mundo está fazendo aquisições para faturar mais. Pena que o CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) não fiscaliza.

Simone & Simaria fizeram história como vocalistas do Forró do Muído, depois partiram para uma bem-sucedida carreira no neo-sertanejo. Continuam fiéis à sofrência, mas amenizam suas características mais radicais para soar palatável a um número maior de ouvintes.

“Paga de solteiro feliz” é uma parceria com Alok, DJ que vem fazendo fama e fortuna ao produzir músicas tão genéricas que passam a impressão de que sempre existiram. O novo rei da “deja vu music” fez com que o lançamento parecesse um hit do Ace of Base diretamente dos primeiros dias de 1991.

Essa mistura de ritmos é uma evolução natural da fusão entre sertanejo e funk que assolou o país nos últimos meses. Além das irmãs uibaienses, Luan Santana e Lucas Lucco também surgem como arrimos de tão eloquente tendência.

A questão que menos importa a essa altura do campeonato: a canção nova é boa? Certamente não. Muito pelo contrário, inclusive. Mas música pop é como dor nas costas, chega uma hora que acostuma.

Voltamos a qualquer momento com novas informações.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Topo