Coluna

Chico Barney

"Bright": Até o filme do Naldo seria mais negócio para Will Smith

Matt Kennedy/Netflix
Imagem: Matt Kennedy/Netflix
Reprodução
Chico Barney

Chico Barney

Entusiasta e divulgador da cultura muito popular. Escreve sobre os intrigantes fenômenos da TV e da internet desde 2002.

26/12/2017 14h42

No papel, "Bright" --novo filme da Netflix-- é uma maravilha. Colocar personagens de fantasia como elfos e orcs vivendo em uma sociedade urbana e violenta como a nossa parece diversão para a família inteira.

A própria Netflix não nega que tem altas pretensões para esse promissor universo, mas infelizmente chamou o Sérgio Naya para construir um Palace 2 do entretenimento. O diretor David Ayer e o roteirista Max Landis nunca fizeram um único filme que prestasse. Não chega a ser uma surpresa que "Bright" seja uma tragédia.

Woody Allen abre "Noivo Neurótico, Noiva Nervosa" contando uma piada que ajuda a explicar seu sentimento sobre a brevidade da vida. "Duas mulheres mais velhas estão num resort nas montanhas e uma delas diz: 'Nossa, a comida nesse lugar é terrível'. A outra diz: 'É! Você sabe… e em porções tão pequenas'". A anedota também serve para conversar sobre os diálogos de "Bright".

Veja mais

Boa parte do filme é recheada apenas por tiros e explosões, passando por diversos minutos sem que o protagonista e seu parceiro orc cheguem a proferir uma única palavra. O que é bom, pois os diálogos são terríveis. Mas também é frustrante.

O carisma de Will Smith, que já ajudou a amenizar catástrofes de outrora, aqui é completamente subjugado em uma trama sem humor nem carisma.

"Bright" muitas vezes parece um gameplay insuportável de um jogo que você não pode comprar. É um cruzamento de "GTA" com "Legend of Zelda", mas provavelmente acabará enterrado no deserto ao lado das fitas do "ET" da Atari.

Até o filme do Naldo seria mais negócio para Will Smith desfilar seus reconhecidos talentos. A história do menino pobre que vence na vida, depois cai no ostracismo e se mete em sérias intrigas com a lei é um arco narrativo surpreendentemente mais interessante que o lançamento da Netflix.

Em vez de ser o filme que vai mudar os paradigmas dos grandes lançamentos da indústria cinematográfica, "Bright" ficou parecendo apenas mais uma bomba estrelada por um ex-astro em atividade e lançada direto em DVD. Cada geração tem o Steven Seagal que merece.

Voltamos a qualquer momento com novas informações.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Topo