Coluna

Chico Barney

Exalta, Terra Samba e Art Popular: os melhores discos ao vivo da história

Reprodução
Terrasamba Ao Vivo e A Cores Imagem: Reprodução
Reprodução
Chico Barney

Chico Barney

Entusiasta e divulgador da cultura muito popular. Escreve sobre os intrigantes fenômenos da TV e da internet desde 2002.

25/10/2017 04h00

Houve um tempo em que a produção de discos ao vivo era uma efeméride importante na carreira dos artistas. Boa parte dos lançamentos de sucesso hoje em dia, contudo, são nesse formato - tanto pela comodidade quanto pela necessidade de vender nas mais diferentes plataformas.

Trago aqui uma lista indiscutível, apresentando os 3 melhores discos da história do mercado fonográfico mundial.

Terra Samba Ao Vivo e A Cores (1998)

Impulsionado pelo sucesso de "Liberar Geral" (1997), o grupo Terra Samba fez a swingueira da Bahia invadir todos os recantos do Brasil com esse discaço ao vivo. Tem sido a trilha sonora dos melhores verões, carnavais e churrascos desde então. O vocalista Reinaldo virou símbolo sexual e figurinha fácil nos programas de TV mais populares, revezando entre Gugu Liberato e Fausto Silva toda semana.

O registro conta até com uma versão de “O Erê”, do Cidade Negra, inclusive deixando a música quase palatável. Vendeu mais de 2 milhões de cópias, tornando-se um dos maiores sucessos da música popular brasileira.

Destaques: Deus é brasileiro, Tá tirando onda, Tô Fraco, Carrinho de Mão

Exaltasamba Ao Vivo (2002)

O disco é o canto do cisne de Chrigor no Exaltasamba. Foi seu último trabalho ao lado de Péricles, Pinha e companhia bela. Trata-se de uma despedida em grande estilo, pois sacramentou o Exalta como a maior banda de pagode romântico de todos os tempos. Especialmente notável é a concatenação de romantismo com samba de roda, traçando um rico panorama sobre as vertentes do pagode.

Muito bem executado, o setlist repousa com tranquilidade entre os mais relevantes de nossa música. Trata-se de um trabalho tão espetacular a ponto de contar com a versão definitiva de “Espere por mim, morena”, grande sucesso do Gonzaguinha. Não é pouca coisa.

Destaques: 24 horas de amor, Pra não pensar em você, Espere por mim morena, Como nunca amei ninguém

Art Popular Ao Vivo e Sem Abuso (2003)

Leandro Lehart é um gênio. Não bastasse seu brilhantismo, também calhou de ser um entusiasmado estudioso da cultura popular. No inesquecível ao vivo de 2003, reuniu algumas das mais belas pérolas que fizeram sucesso também na voz de outros cantores. “Telegrama” havia estourado com o Exaltasamba, “Sentinela” foi um grande hit de Jorge Aragão, “Raio de Sol” fez o Grupo Malícia encher estádios -- e por aí vai.

Ver todos esses verdadeiros hinos do amor noventista reunidos pela primeira vez foi emocionante. Depois das invencionices divertidas dos populares discos da série SambaPopBrasil, o Art Popular se permitiu voltar a estruturas mais ortodoxas. Todo mundo saiu ganhando.

Destaques: Sem Abuso, Falando Segredo, Eternamente Feliz, Sentinela

Você concorda com essa lista? Espero que sim. No mais, voltamos a qualquer momento com novas informações.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Topo