Topo

Coluna

Chico Barney

Uma boa e uma má notícia sobre "Emoji - O Filme"

Divulgação
Imagem: Divulgação
Chico Barney

Chico Barney

Entusiasta e divulgador da cultura muito popular. Escreve sobre os intrigantes fenômenos da TV e da internet desde 2002.

30/08/2017 14h22

Não sei qual o nível de empolgação que o nobre leitor está em relação ao lançamento de "Emoji - O Filme", grande destaque cinematográfico da semana. Mas ciente de minha responsabilidade social, achei por bem prepará-lo para o que está prestes a acontecer nas salas de exibição mais próximas a partir desta quinta-feira.

Como na maioria dos comunicados públicos do distópico ano de 2017, é de bom alvitre colocar o casaquinho antes de sair para enfrentar a brisa gelada da verdade.

Uma boa notícia

A criatividade, especialmente quando aliada ao pragmatismo do capitalismo selvagem, é a mais pródiga das capacidades humanas.

Desenvolvemos por milênios nossa linguagem, inventamos termos rebuscados para exprimir os sentimentos mais hediondos. Fomos impelidos por necessidades abissais a evoluir, encontrar novos caminhos e sofisticar nossa compreensão do mundo.

Mas uma verdadeira transformação aconteceu quando conseguimos pegar aqueles rabiscos rudimentares nas paredes de nossos ancestrais para mimetizar o efeito em nossos aparelhos celulares.

Tudo em nome da satisfação de usar um rostinho amarelo muito fofinho na hora de marcar o próximo jantar de negócios ou lamentar o atraso na sessão de terapia.

Quando vejo "Emoji - O Filme", enxergo também o pináculo do desenvolvimento da humanidade em todo o seu esplendor.

Uma má notícia

Todo o processo compreendido desde ter a ideia de realizar um filme estrelado por emojis até lançar um filme estrelado por emojis acabou resvalando no mais profundo fracasso.

Não é como se fosse impossível fazer bom entretenimento a partir de algo tão raso quanto carinhas amarelas. Desafios mais intensos já foram herculeamente cumpridos: Ziraldo fez um livro poético sobre as cores; Jorge Benjor escreveu uma música sobre Washington Olivetto.

Não obstante, todo mundo já viu alguma ótima história envolvendo emojis. A trama abaixo, por exemplo, é infinitamente melhor resolvida do que qualquer coisa apresentada no filme.

Reprodução/Internet
Imagem: Reprodução/Internet

Não só o uso das expressões gráficas é mais coerente, como também oferece uma punchline melhor equilibrada.

O filme parece acreditar que tanto faz o que é dito, contanto que pareça bonitinho. A expressão como commodity parece ser a grande vilã da história.

E a culpa não é dos emojis, que brilham com reluzente graça toda vez que aparecem. A fraqueza está justamente na burocrática concatenação de palavras.

O que é dito serve apenas para ser lamentado em "Emoji - O Filme".

Trailer dublado de "Emoji - O Filme"

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!