Coluna

Chico Barney

Mr Catra Racional: A esquecida fase gospel do funkeiro

Divulgação
Mr Catra em cena do clipe "Pepeka Chora" em homenagem à ex-namorada Imagem: Divulgação
Reprodução
Chico Barney

Chico Barney

Entusiasta e divulgador da cultura muito popular. Escreve sobre os intrigantes fenômenos da TV e da internet desde 2002.

28/07/2017 13h19

Em dado momento dos loucos anos 70, Tim Maia resolveu que já havia se divertido demais e acabou entrando para a seita Cultura Racional. O breve período de fé professada por um dos mais elevados nomes da música mundial garantiu discos até hoje celebrados como fundamentais.

Oriundo da mesma Tijuca que nos presenteou com o saudoso Dom Maia, Mr Catra também se encantou pelos desígnios divinos, o que rendeu ótimas passagens de sua pitoresca discografia.

Os dois primeiros trabalhos de Catra, "Bonde do Justo" de 1995 e "O Esconderijo do Altíssimo" de 1996, traziam todo o sincretismo microfonado de nossa cultura popular.

Entre alguns famigerados proibidões, com crônicas saborosas sobre o cotidiano da bandidagem, o funkeiro até mantinha a libido sob controle. Pouca coisa do primeiro álbum remete ao artista que atualmente lança sutilezas pós-eróticas como "Pepeka Chora" e "Senta em Mim".

O clássico "Retorno de Jedi", além da curiosa referência a "Star Wars", abre com uma insuspeita citação ao salmo 23. E não para por aí: a música apresenta os perfis daqueles que não merecem ser salvos.

Bolidor, tu vai e o retorno é de Jedi
Bilha, tu vai e o retorno é de Jedi

X-9, tu vai e o retorno é de Jedi
Conspirador, tu vai e o retorno é de Jedi

Deus não fez de um homem um réu, existe o juízo eterno:
Se tu crer tu vai pro céu, não crendo, vai pro inferno
Pense bem no seu futuro, que vale mais que essa vida
Com o Justo estará seguro lá na Terra Prometida.

O trabalho seguinte já começava a indicar que o sexo seria a marca de sua carreira, o que deixou a mistura ainda mais curiosa. Ao formatar uma espécie de gangsta-gospel pornô, Catra estabeleceu seu legado.

Se fazia ameaças pouco sutis em músicas como "Vacilão Vai Virar Carvão”, acalmava os ânimos com a balada "Líquido do Amor" e ainda louvava ao Senhor na faixa-título "O Esconderijo do Altíssimo".

Essa última, por sinal, é certamente a mais interessante dos anos de formação do cantor. Uma versão suingada para Salmos 91.

A importância da fé nesse caldeirão de emoções fica ainda mais clara no hit "Seja Humilde":

"Seja humilde, pense bem / Se não fosse Jesus Cristo / Catra não era ninguém".

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Topo