Coluna

Chico Barney

Como a Marvel se transformou no império da ansiedade

Reprodução
Stan Lee, a lenda da Marvel, só na espreita para ver se você está acompanhando tudo atentamente Imagem: Reprodução
Reprodução
Chico Barney

Chico Barney

Entusiasta e divulgador da cultura muito popular. Escreve sobre os intrigantes fenômenos da TV e da internet desde 2002.

21/07/2017 04h00

Acredito que a indústria de quadrinhos foi a primeira a perceber que seu público sofria de uma intensa crise de ansiedade. E conseguiu muito sucesso ao moldar todo o mercado com o intuito de agravar tal condição.

Há anos que as edições são anunciadas com um trimestre de antecedência. Existe a justificativa técnica de que os lojistas precisam definir quais revistas vão comprar, é verdade. Mas o fato é que essa manobra faz o público passar muito mais tempo discutindo o que pode vir a acontecer no futuro em vez de todas as maravilhas que estão acontecendo nas revistas que já estão à venda.

O cliffhanger (um recurso utilizado na ficção, colocando o personagem em uma situação limite) deixou de ser meio para se tornar fim. Não existe muita gente falando sobre o conteúdo dos quadrinhos em si --a maior parte do conteúdo que esbarramos por aí trata de confabulações especulativas a respeito de anúncios enigmáticos de grandes editoras.

São os rumores que levam o mercado para frente, ao mesmo tempo que emburrecem as discussões, mais confundindo que qualquer outra coisa. Com o sucesso das adaptações cinematográficas da Marvel, essa máquina de deixar gente triste passou a operar em escala ainda maior.

São quase dez anos de filmes do tal universo cinematográfico inspirado nas histórias da editora. Robert Downey Jr. com a armadura do Homem de Ferro já é uma presença mais certa que o inevitável Woody Allen na programação anual de Hollywood. Mas quem se importa com o que passou?

Ao fim das 2 horas de explosões coloridas e diálogos engraçadinhos, o relevante é procurar guias para entender os easter eggs e elucubrar a respeito do que acontecerá nos capítulos seguintes da interminável jornada dos heróis --sem contar os acalorados debates sobre cenas pós-créditos, evidentemente.

Não me surpreenderia se revelassem que a Disney possui alguma patente de ansiolíticos, pois os burocratas da empresa fizeram questão de divulgar há alguns anos toda a programação de filmes até o então longínquo 2020.

Foram meses de especulação sobre quem seriam os protagonistas de filmes que sequer tinham roteiro, como Capitã Marvel, Pantera Negra, Doutor Estranho, dentre outros. E o mais surreal: os lançamentos do último ano dessa agenda tiveram apenas suas datas anunciadas, para que o público tivesse a oportunidade de debater também sobre quais serão os títulos, os heróis e as histórias.

O afã de divulgar novidades a perder de vista funciona como se fosse um crediário da Casas Bahia em que você compra felicidade e paga com pequenas parcelas de sua sanidade espiritual.

Depois de lançar "Guardiões da Galáxia Vol. 2" em abril e "Homem-Aranha: De Volta ao Lar" na semana passada, a Marvel colocou na praça teasers, trailers e spots de tudo o que vem por aí: séries na TV aberta, séries na Netflix e até de três filmes ao mesmo tempo --para que ninguém entenda direito se o próximo filme desse ano será Thor, Pantera Negra ou Vingadores.

O entusiasta padrão desse tipo de entretenimento certamente será alvejado com os raios cósmicos da ansiedade durante a corrente edição da San Diego Comic-Con, graças à revelação de mais uma porção de desinformações. O superpoder advindo disso não será outro senão algum nível de frustração.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Topo