Coluna

Chico Barney

Opinião: "Guardiões da Galáxia Vol. 2" não passa de um filme dos Trapalhões

Montagem UOL
Os Trapalhões da Galáxia? Sucesso da Marvel segue receita semelhante à dos brasileiros Imagem: Montagem UOL
Reprodução
Chico Barney

Chico Barney

Entusiasta e divulgador da cultura muito popular. Escreve sobre os intrigantes fenômenos da TV e da internet desde 2002.

Especial para o UOL

09/05/2017 14h11

O cinéfilo mais atento provavelmente percebeu que as paródias de blockbusters não são mais produzidas com a mesma frequência de outrora. O sumiço deixa desassistidos alguns astros do quilate de Charlie Sheen, Anna Faris e toda a família Wayans. Mas o público ávido por esse curioso tipo de entretenimento continua com alternativas.

Já faz algum tempo que os grandes lançamentos dos estúdios abraçaram de vez o cinismo antes relegado às versões satíricas. É impossível levar a sério Robert Downey Jr como o maior astro de ação da atualidade, assim como é surreal pensar que Dominic Toretto e seus amigos protagonizaram 8 filmes e absolutamente nenhum foi lançado direto em DVD - muito pelo contrário, a série só fica mais popular.

Estamos todos loucos? Perdemos a noção do ridículo? Provavelmente sim. Mas meu ponto é outro. Hollywood é uma casa de apostas extremamente caras, e os filmes arrasa-quarteirão tiveram que mudar para conseguir agradar ainda mais gente de maneira concomitante.

Da mesma forma que o público paga por um combo que reúna pipoca e refrigerante em doses abissais, espera-se que seus parcos investimentos no entretenimento acabem por englobar um pouco de romance, drama, suspense, ação, aventura e comédia em sessões que costumam flutuar entre 100 e 160 minutos.

A Marvel é quem tem conseguido concatenar melhor todas as variáveis, criando filmes que são cretinos na medida certa para ninguém levá-los a sério, ao mesmo tempo em que evitam descambar para o escracho total.

"Guardiões da Galáxia Vol. 2" é o epítome dessa tendência. Ao mesmo tempo em que não passa de uma palhaçada muito da sem vergonha, consegue ser de alguma forma comovente e muito bem executado. É como se "Os Trapalhões na Guerra dos Planetas" tivesse um orçamento digno da franquia Star Wars.

Inclusive chega a ser curioso notar que a estrutura do filme obedece a algumas regras cravadas em pedra pela longa jornada dos Trapalhões nos cinemas, especialmente nos clássicos dos anos 70 e 80.

As saudosas películas tinham sua origem na paródia, mas desenrolavam-se com uma verve muito própria. Nunca foram subprodutos: eram pós-produtos. Mas ainda assim, quanta besteira acabávamos assistindo.

O gabarito dos Trapalhões é facilmente aplicável à franquia espacial da Marvel.

Divulgação
Chris Pratt como Peter Quill em "Guardiões da Galáxia Vol. 2" Imagem: Divulgação

Peter Quill é Conrado

O galã meio abobalhado que usufrui de certo romance com a mocinha do filme e é usado como chamariz hormonal para as plateias mais impressionáveis. Nesse caso, ainda tem o agravante da conexão de ambos com o universo musical dos anos 80.

Comprove: veja "Os Trapalhões na Terra dos Monstros" (1989)
 

Didi Mocó é Rocky

O célebre Doutor Renato faz parte do panteão do cinema nacional graças ao tipo que construiu também em anos de labuta televisiva: o espertalhão que vive armando para cima dos outros. Mais ou menos como o guaxinim da colorida distopia hollywoodiana.

Baby Groot é Zacarias

A câmera era apaixonada pelo envolvente estrabismo circense de Zacarias. Sempre que o trapalhão dava suas gostosas risadas, normalmente enquanto se engalfinhava com algum outro colega, o efeito era muito similar à catarse que ocorre quando avistamos Groot em sua versão neném nos cinemas.

Nebulosa é Jorge Laffond

Apesar de ser mais lembrado pelo papel de Vera Verão na Praça é Nossa, Laffond deu vida a um pragmático personagem que em muito lembra a irmã raivosa de Gamora. O grande nêmesis do Sargento Pincel na escolinha do exército dos Trapalhões respondia a quase tudo com um sonoro “Não sei”, como se fosse o mais indignado rebento de Thanos.

Divulgação
Dave Bautista como Drax, em "Guardiões da Galáxia Vol. 2" Imagem: Divulgação

Drax é Sargento Pincel

Roberto Guilherme equilibrou como nenhum outro ator altas doses de truculência com uma irresistível doçura. Virou um ponto de referência para papéis como o de Drax, assim como Al Pacino está para os desequilibrados mentais e Murilo Benício para os fanhos.

Gamora é Angélica

A futura primeira dama passou a ser convocada como interesse romântico dos filmes quando começou a ficar esquisito Didi Mocó se enveredando pelas digressões de Xuxa Meneghel.

Mantis é Mussum

O grupo Os Trapalhões sempre se caracterizou por atuações baseadas na fluidez de gênero. Não chegava a ser uma raridade ver Mussum fantasiado de mulher. E o nome é Mantis, cacildis!

Divulgaēćo
Kurt Russell como Ego em "Guardiões da Galįxia Vol. 2" Imagem: Divulgaēćo


Ego é Dedé Santana

Dedé se especializou em personagens importantes para a trama, mas sem muito apelo particular. Era uma espécie de Carlos Alberto de Nóbrega que não tinha onde sentar. Certamente o trapalhão mais fácil de odiar, assim como Kurt Russell vivendo um planeta que usa cavanhaque.

Yondu é Tião Macalé

Augusto Temístocles da Silva Costa era certamente o mais atormentado dos integrantes da trupe. Apesar de ser sistematicamente confrontado pelo absurdo, costumava atacar de volta com o mantra “Ih! Nojento! Tchan!”. Relação parecida de Yondu com as vicissitudes da vida, que assobiava para flechar os manés enquanto escondia para si mesmo a bondade em seu coração.

***

Como se todas essas evidências já não fossem o suficiente para acreditarmos que os burocratas da Disney estão tirando proveito da estrutura laureada pela Renato Aragão Produções Artísticas, a trilha sonora do filme mais uma vez é composta por hits da época do Sullivan & Massadas.

Com pouca verba e decisões criativas para lá de mambembes, Os Trapalhões fizeram fama e fortuna ao rir das nababescas produções de Hollywood. É notável que agora o típico blockbuster seja obrigado a rir de si mesmo - provavelmente de nervoso.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Chico Barney
Topo