PUBLICIDADE
Topo

Você já reparou no destino dos personagens negros das animações da Disney?

Andreza Delgado

Andreza Delgado, baiana da terra do cacau, é uma das criadoras da Perifacon, a Comic Con da favela. Tem um canal no YouTube para resenhar séries, HQ's, filmes e livros e o game perifa, mas quando dá tempo tuíta pelos cotovelos.

Colunista do UOL

04/08/2020 16h18

Precisamos ter uma conversa honesta sobre as escolhas da Disney quando o assunto é... personagens negros. Vamos lá! Começa que já temos uma dificuldade para encontrar histórias cujos personagens centrais são negros e, quando encontramos, "voilá!", esses personagens seguem um padrão bem esquisito: eles nunca permanecem em seus corpos durante a narrativa.

Do que você está falando, Andreza?

Bora lá.

A animação "A Princesa e o Sapo" (2009), baseada no conto "O Príncipe Sapo" iria nos apresentar a primeira princesa negra da Disney.

Contudo, tcharam!, ela passa boa parte do desenho presa no corpo de um sapo.

Passam-se exatos dez anos e somos apresentados a um espião negro —"o melhor espião do mundo", segundo a sinopse— como protagonista de uma animação da Blue Sky, estúdio que também pertence à Disney. Em "Um espião Animal", Lance Sterling recebe a voz de Will Smith, que divide a cena com nomes como Tom Holland.

Não preciso nem terminar a explicação para dizer que... "puff"... o protagonista passa boa parte do filme vivendo na pele de um pombo.

Agora, em 2020, fomos apresentados ao protagonista negro de "Soul", a animação da Pixar que, como todo mundo sabe, também é da Disney. Aos 55 segundos do primeiro trailer (sim, eu cronometrei), ele morre e vira uma bolha azul.

É, minha gente... eu sei que vocês terminaram de ler os três únicos exemplos de protagonistas negros das animações dos estúdios Disney se perguntando "mas será?". E eu te digo: não é apenas coincidência.

Uma petição online chamada Pare com Animações que Desumanizam Personagens Negros (em inglês) já está tratando da discussão e promovendo um debate sério sobre o assunto. No gráfico abaixo, dá para ver a linha do tempo.

STOP Animation Trope that Dehumanizes Black Characters - STOP Animation Trope that Dehumanizes Black Characters  - STOP Animation Trope that Dehumanizes Black Characters
Imagem: STOP Animation Trope that Dehumanizes Black Characters

Bom, linha do tempo devidamente apresentada, será que podemos falar agora sobre um possível padrão? E do porquê dele?

Na verdade, quem tem que responder isso são os respectivos estúdios. Por que não optar por histórias onde os protagonistas vivem toda a narrativa em seus corpos negros? Não quero acusar ninguém de nada, mas acho que vale uma discussão séria sobre essas escolhas.

Once is an accident, twice is a coincidence, three times is a pattern. Why can't Disney's, Blue Sky's, and now Pixar's first black leading characters just stay human? Tiana from #PrincessAndTheFrog (2009) turned into a frog, black secret agent in #SpiesInDisguise (2019) became a pigeon, and black musician in the upcoming #PixarSoul (2020) transformed into a blob of a ghost. The disturbing trope of robbing non-white characters of much-needed representation screen time and detaching them from their racial and ethnic identities started with Disney's 'The Emperor's New Groove' (2000) and 'Brother Bear' (2003), where Inca and Alaska Native human protagonists spent most of the film as animals. Defenders of this racial trope like to blame foreign moviegoers, especially the Chinese, who, supposedly, don't watch movies with black leads. Never mind that black-led animated film 'Spider-Man: Into the Spider-Verse' made more money in China ($62 mil) than 'Incredibles 2' ($51 mil), 'Frozen' ($48 mil), and 'Toy Story 4' ($29 mil), while 'Black Panther' ($105 mil) outsold both Star Wars Ep. 8 ($42 mil) and Ep. 9 ($20 mil). After all, the problem of racism in American film and animation goes back long before modern China appeared on the map and needs to be addressed on its own merits. One way to fix representation of women and people of color on screen is to advance them to decision-making and executive roles and diversify the corporate boards of directors, so bad ideas don't get green-lighted in the first place. It is disrespectful and it is okay to not be satisfied with these crumbs of representation. Separating black characters from their black bodies and the inability to see their innate humanity need to stop. #zikibay #digitalart #africanamerican #representationmatters #blackrepresentation #blacklivesmatter #blackgirlmagic #blackcharacters #racism #blackerasure #dehumanization #diversity #ThePrincessAndTheFrog #PrincessTiana #pixar #disney #disneyfanart #pixarfanart #disneyprincesses #disneymovie #disneymovies #disneycharacter #disneyart #disneyillustration #disneydrawing #WillSmith #JamieFoxx zikibay.com facebook.com/zikibay instagram.com/zikibay youtube.com/zikibay

Uma publicação compartilhada por Erden Zikibay Art & Animation (@zikibay) em

Se estivéssemos em 1954, no auge da luta pelos direitos civis negros nos Estados Unidos, eu entenderia a relutância em apresentar protagonistas negros, mesmo em animações. Mas estamos em 2020, depois de "Pantera Negra" (também da Disney) ter arrecadado mais de US$ 1,3 bilhão nas bilheterias do mundo inteiro. Então fica difícil entender a relutância ou a escolha, seja lá como podemos chamar isso.

Além do singelo questionamento, a mais importante discussão aqui é a importância da contratação de profissionais não-brancos para participar dessas animações e ter poder de decisão sobre elas. Assim, quem sabe, na próxima vez em que alguém aparecer querendo transformar um negro em, sei lá, peixe, encontre alguma resistência. Só assim a representatividade pode gerar impactos reais.

A gente sabe das tentativas da companhia em apresentar narrativas diferentes, como em "Frozen", "Malévola" e no divertido "Detona Ralph", entre tantos outros títulos. Mas é necessário saber se um dia poderemos ver um filme com protagonistas negros por completo.

Enquanto isso, vamos pensando na magnífica e provocante animação em tom de protesto de Michael Jermaine. Ele usa da narrativa do filme "Corra!", de Jordan Peele, para criticar o que a Disney anda fazendo com corpos negros em suas animações.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.