PUBLICIDADE
Topo

Kristen e Robert: até quando nossos vampirinhos serão julgados?

Andreza Delgado

Andreza Delgado, baiana da terra do cacau, é uma das criadoras da Perifacon, a Comic Con da favela. Tem um canal no YouTube para resenhar séries, HQ's, filmes e livros e o game perifa, mas quando dá tempo tuíta pelos cotovelos.

Colunista do UOL

17/07/2020 18h58




Já está mais do que na hora de darmos o veredito: não dá para resumir Kristen Stewart e Robert Pattinson aos "jovens atores ruins" de "Crepúsculo". Muitas águas passaram por debaixo dessa ponte desde o lançamento da saga baseada nos livros de Stephenie Meyer nos cinemas, que se passou entre 2008 e 2012. Mas tipo... muitas águas mesmo!

A escalação do nosso eterno RPatz para dar vida ao Batman e a simples especulação do nome de Kristen para viver a princesa Diana nos cinemas gerou uma onda de reclamação, e sobre isso a gente precisa conversar.

Para começar: antes mesmo de ser escalada para a viver a mocinha Bella, Kristen já tinha mostrado uma baita atriz. Ou você convenientemente se esqueceu de "O Quarto do Pânico", de David Fincher, de 2002, e de "O Silêncio de Melinda" (2004), em que ela deu vida à protagonista? Ali ela já havia conseguido transpor para as telas todo o sofrimento e a perturbação mental de ambas as adolescentes que interpretou.

Já Robert, com mais de 20 filmes no currículo, no ano do lançamento de "Crepúsculo" interpretou Salvador Dalí na cinebiografia dirigida por Paul Morriso, o belíssimo e tocante "Poucas Cinzas: Salvador Dalí". Este filme conta a história de um romance homossexual vivido por Dalí com o poeta Federico Garcia Lorca. Sabe?


Para um jovem ator, deve ser horrível ficar marcado por um papel. Mas pior ainda é, toda vez que você for escalado para um papel importante, ter o talento subestimado por conta dessas produções. O que acontece com esses dois, em especial com a Kristen, chega a ser perseguição. Ambos, por exemplo, se mostraram tão preocupados com a carreira que apostaram em fazer filmes independentes após o fim da saga "Crepúsculo". E se deram muito bem, diga-se de passagem. Mas isso não basta para convencer os detratores, né?

O pessoal parece esquecer até que, antes mesmo de fazer "Crepúsculo, Robert participou da saga Harry Potter, como Cedric Diggory. Em "Lembranças" (2010), ele não só atuou como chegou a produzir. O galã, como é conhecido em Hollywood, tem muito mais que uma cara linda. Ele já deu muitas provas de que não é apenas um rosto apático e branco que brilha sob sol, mas um baita ator.

Aliás, quer (mais) uma sugestão, uma bem recente? Sua interpretação em "O Farol", filme de Robert Eggers lançado no ano passado, foi aclamada. Ou que tal a trama futurista "Cosmópolis" (2012)?

Ainda não está convencido? Se eu pudesse te indicar um filme estrelado por Pattison seria "O Bom Comportamento" (2017), dos irmãos Safdie, baita drama!

Eo que falar de Kristen como Joan Jett em "The Runaways"?

O filme saiu colado com o fim da saga, e chocou o público adolescente, que nunca havia sonhado em ver a até então doce Kristen num papel tão marcante e rebelde. E estamos falando de um filme sobre a dupla que abriu caminho para mulheres no rock.


Eu realmente não sei de onde as pessoas tiraram que Kristen não sabe atuar. Quem leu toda a saga Crepúsculo (EUZINHA AQUI), sabe que Bella Swan escrita por Stephenie era exatamente aquilo que Kristen interpretou.


Como qualquer ator acima da média, ela geralmente tem acertado. E acertou a ponto de ser a primeira americana a ganhar o César Award (o prêmio mais importante do cinema francês). Ela foi premiada como melhor atriz coadjuvante por "Acima das Nuvens" (2014).

Eu não queria transformar esse texto em uma lista de trinta filmes interpretados por eles, mas só chamar atenção de que já deu com a birra contra os dois.

Os ex-vampirinho estão envolvidos em grandes produções como "The Batman" e "Tenet", de Christopher Nolan (respeitado e premiado, né?). Robert estreia também na Netflix com "The Devil All The Time". Já Kristen está sendo cotada para viver a Princesa Diana.

E se depois de toda minha argumentação você estiver se sentindo muito implicante com os dois, fique tranquilo. Ninguém consegue perseguir mais os dois que o presidente norte-americano Donald Trump.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.