PUBLICIDADE
Topo

'Um crime para dois' é o filme romântico de que eu precisava

Um Crime para Dois - Reprodução / Internet
Um Crime para Dois Imagem: Reprodução / Internet
Andreza Delgado

Andreza Delgado, baiana da terra do cacau, é uma das criadoras da Perifacon, a Comic Con da favela. Tem um canal no YouTube para resenhar séries, HQ's, filmes e livros e o game perifa, mas quando dá tempo tuíta pelos cotovelos.

Colunista do UOL

10/07/2020 10h59

Num fim de semana desses, eu estava procurando um filmezinho para ver e relaxar. Então decidi ir ver algo romântico. Claro, era o fim de semana do dia dos namorados. Fui toda serelepe procurar algo no catálogo da Netflix e, mesmo sabendo que o clichê ronda histórias românticas, acabei num cartaz que me chamou atenção.

O título me passou despercebido ou não teve uma grande publicidade em cima do filme, mas não fazia ideia do que se tratava. Fiquei curiosa:

MEU DEUS UM CASAL NÃO BRANCO ESTRELANDO UMA COMÉDIA ROMÂNTICA!

Em português, o título do tal filme ficou muito melhor: "Um Crime Para Dois". Melhor que "The Lovebirds" (algo como "Os Pombinhos"). O filme era para ter estreado nos cinemas, mas dadas as circunstâncias aí do planeta, ficou só no streaming mesmo.

Estrelado por Issa Rae (Leilani) e Kumail Nanjiani (Jibran) o filme começa com o nascimento de um romance, e com muitas cenas do que parece ser um encontro que vai se estendendo.

Corta para anos depois, no que parece ser o fim do mesmo relacionamento. Vou dizer que nessa hora eu brochei... Até ser tomada pela trama do filme, que é sobre um assassinato, um telefone celular, e a procura de muitas pistas com o término do relacionamento do casal batendo na porta. Ou seja, os dois têm um crime para resolver e o amor que está no fim.

Só vale lembrar que o diretor desse filme Michael Showalter, já tinha dirigido uma comédia chamada "Doentes de amor " (2017), na qual o Kumail Nanjiani é protagonista, e que se saiu muito bem na crítica.

Tentando não dar muito spoiler, por que eu quero que assim que você acabe de ler esse texto, você vá ver esse filme, gostaria de dizer que o tipo de comédia proposta aqui é uma zoeira até com o que pode ser lido como clichê.

Eu estava preparada para ser submersa num monte de mais do mesmo romântico e chato, mas que me faz pausar o mundo pelo menos por instante. E TCHARAAAAM, não!

As piadas são boas, e se você for uma pessoa não-branca vai rir desesperadamente daquilo. Calma, não vai surgir uma manifestação Black Lives Matters no meio da história. O filme aproveita o simples fato de o casal não ser composto por brancos para introduzir de forma divertida críticas raciais.

Quando você chegar na digníssima cena da delegacia, já sei vai dar uma pausa e ficar "nossa, caramba!". Eu poderia até apostar com você, leitor.

O longa aposta num roteiro simples, em diálogos hipotéticos que acabam virando realidade. Como eu disse no começo do texto, o filme fica mais divertido e faz mais sentido com a tradução brasileira. Inclusive você vai torcer e muito para tudo dar certo. E, apesar de alguns furos no roteiro e das tentativas de explicação para os mesmos furos, o filme me divertiu bastante com seu jeito novo de se contar uma comédia romântica sobre a solução para um crime e também sobre o fim de uma relação.

É bom demais para quem está querendo fugir do clichê maçante.