PUBLICIDADE
Topo

Último 'Star Wars' pode não ter sido tão bom, mas rendeu coisas boas

Rey, Poe e Finn em Star Wars - A Ascensão Skywalker - Divulgação
Rey, Poe e Finn em Star Wars - A Ascensão Skywalker Imagem: Divulgação
Andreza Delgado

Andreza Delgado, baiana da terra do cacau, é uma das criadoras da Perifacon, a Comic Con da favela. Tem um canal no YouTube para resenhar séries, HQ's, filmes e livros e o game perifa, mas quando dá tempo tuíta pelos cotovelos.

Colunista do UOL

07/07/2020 11h35

Pois é! no dia 19 de dezembro de 2019 estreava o tão esperando (pelo menos para legião de fãs) episódio IX de "Star Wars", "A Ascensão Skywalker". Eu sei que todo mundo ficou chateado com as paradas que rolaram no filme. Eu odeio muito aquele beijo horrível e desnecessário entre Rey (Daisy Ridley) e Kylo Ren (Adam Driver) ou o apagamento bizarro que a Rose (Kelly Marie Tran) sofreu. Mas queria lembrar vocês que nem tudo foi desgraça. Então quero te contar uma história boa que envolve o filme.

A história começa comigo voltando da padaria com meu irmão e encontrando colegas de trabalho na PERIFACON numa espécie de catarse coletiva. Ninguém conseguia falar! Só gritavam. Meu irmão e eu nos olhávamos já ansiosos de curiosidade.

Todo o furor deles tinha como causa um e-mail lá da dona Disney convidando a gente para entrevistar o diretor do filme J.J. Abrams, que estaria no Brasil na semana da CCXP 2019. Gente, eu não tinha nem roupa para aquele momento!

Chegamos no luxuoso hotel onde J.J. e o elenco do filme estavam hospedados. Nós, quatro periféricos, acompanhados do nosso querido produtor. Ainda bem que ele estava lá, porque bancar emoção não foi fácil.

Daí rolou a entrevista com o J.J. Abrams. A sala com a equipe foi adaptada para receber nós quatro. Tinha uma tradutora muito fofa que até se emocionou com a gente. Mas o nervosismo era tanto que tínhamos medo de falar. "Oi, meu nome é PerifaCon, a primeira Andreza da Favela", ou pior: "Oi, meu nome é J.J. Abrams", mas deu tudo certo!

Já o J.J. Abrans, muito solícito, além de elogiar meus cabelos e brincos, nos abrilhantou com respostas que vão ecoar em nossas memórias e aprendizados. Sobre representatividade, ele, um homem branco, hétero, disse:

Não conseguiria imaginar como seria crescer e não me ver representado nas histórias

Ainda conversamos sobre o poder de contar uma história neste mundo de hoje, e as mudanças que ele vem observando.

A capacidade de contar histórias hoje, de ser um fã de histórias, não é mais reservado para um pequeno grupo de elite

Para encerrar, ele nos presenteou com com um incentivo muito potente:

Sigam em frente, continuem, façam tudo que estão fazendo, façam tudo, menos ficar calados. Inevitavelmente, suas vozes serão ouvidas, cada vez mais alto

No fim, deu tudo certo, como vocês podem ver aqui:

"Star Wars: A Ascensão Skywalker" pode não ter sido o melhor filme da franquia, mas rendeu muita história boa, e umas delas tenho a honra de ter vivido!