Topo

Coluna

Adriana de Barros


Cantar com Emicida e Pabllo me fez mais forte, diz Majur, que lança "20ver"

Majur lança a música "20Ver" - Divulgação
Majur lança a música "20Ver" Imagem: Divulgação
Adriana de Barros

Adriana trabalha no UOL desde 2000, passou pelas rádios Mix FM, 97Rock e pela gravadora Sony Music.

14/08/2019 18h48

Majur chega às plataformas digitais hoje (14) com a inédita "20ver".

Para quem ainda não ouviu falar, Majur é uma artista não binária, que recentemente participou ao lado de Pabllo na música "AmarElo" do rapper Emicida.

Em 2018, ela lançou o EP "Colorir", se apresentou ao lado de nomes como Daniela Mercury, Caetano Veloso e outros. Para este ano, Majur conta com o empresariamento da Uns Produções, gravadora da empresária Paula Lavigne, que cuida também da carreira de Caetano, Teresa Cristina e outros artistas.

À coluna, a baiana falou sobre o novo trabalho que chega com um videoclipe e a importância de cantar "AmarElo" com Pabllo e Emicida.

Adriana: "20ver" segue com a temática inclusiva mostrada em seus trabalhos anteriores?
Majur: É uma música também agênero, assim como todo meu trabalho, justamente para trazer identificação de todo público. Seja ele de qual gênero ou sexualidade.

Artistas como você são importantes para o momento que vivemos no Brasil atual. Como você acha que sua música pode ajudar?
As pessoas precisam de um refúgio. Todos nós passamos por um momento difícil, principalmente na política. As pessoas estão perdidas, elas precisam se reencontrar. Utilizo a minha música como uma forma para essas pessoas se encontrarem por meio do amor e da fé. Em acreditar que elas podem vencer e passar por estes problemas, que elas podem superar.

Desde que você começou, acha que seu público entende melhor a diversidade?
Sou parte da diversidade. Meu corpo, minha imagem e como estou na sociedade já uma referência de diversidade para o público, principalmente por eu ser não binária. Aí que entramos para entender mais sobre gêneros. É uma questão nova. Tem menos de três anos que estamos conhecendo mais sobre a diversidade de gênero. E ter uma pessoa assim faz toda diferença no entendimento das pessoas.

Você disse que seu sonho é levar luz às pessoas com sua música. Já consegue enxergar essa luminosidade?
Sim. Recebo diariamente mensagens de pessoas falando como minha música tem melhorado a vida delas, principalmente a música "AmarElo", que salvou muitas pessoas de morte mesmo. Recebi muitas mensagens de pessoas que pensavam em suicídio, mas graças a nossa arte conseguimos transformá-las. Eu ler essas mensagens todos os dias só faz eu enxergar que está dando certo e me incentiva a continuar.

Como foi dividir a cena com Emicida e Pabllo em "AmarElo"?
Foi uma das maiores oportunidades da minha vida, com certeza. Estar próximo de pessoas que são ícones de reeducação da sociedade é muito prazeroso e muito satisfatório. Já que eu queria levar a luz, eu encontrar essas duas pessoas e fazer uma música, que tem esse cunho, é simplesmente incrível. Me senti completamente abraçada e forte. Estar ao lado deles dois me fez mais forte.